Biden: Putin deve enfrentar julgamento por crimes de guerra pelo assassinato de Pucha

WASHINGTON (AP) – O presidente Joe Biden pediu um julgamento por crimes de guerra contra o presidente russo, Vladimir Putin, e pediu mais sanções após as atrocidades na Ucrânia.

“Você viu o que aconteceu em Pucha”, disse Biden. Ele também chamou Putin de “criminoso de guerra”.

Biden fez as declarações aos repórteres após uma visita ao presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy Pucha. Autoridades ucranianas dizem que corpos civis foram encontrados em uma das cidades ao redor de Kiev. Zelenskyy chamou as ações da Rússia de “genocídio” e pediu ao Ocidente que use sanções mais duras contra a Rússia.

No entanto, Biden parou de chamar essas ações de genocídio.

A promotora pública ucraniana Irina Venedikova disse que os corpos de 410 civis foram removidos de cidades da região de Kiev que foram recentemente recapturadas pelas forças russas. A Associated Press encontrou os corpos de pelo menos 21 pessoas em vários locais ao redor de Pucha, a noroeste da capital.

“Devemos continuar fornecendo à Ucrânia as armas necessárias para continuar a guerra. Temos que reunir todos os detalhes para que seja real – temos que conduzir uma investigação de crimes de guerra ”, disse Biden.

Biden chamou Putin de “brutal”.

“O que está acontecendo em Pucha é ultrajante e todo mundo está assistindo”, acrescentou Biden.

Autoridades da Casa Branca disseram que as negociações sobre a escalada de novas sanções contra a Rússia se intensificaram após relatos de atrocidades. Biden disse na segunda-feira que adicionaria sanções, mas não detalhou quais setores os Estados Unidos podem atacar em seguida.

Depois que a avalanche de sanções nas primeiras semanas da guerra foi revelada, nos últimos dias o governo se concentrou mais em fechar as brechas que a Rússia está tentando usar para evitar sanções.

READ  Variedade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, tuitou na segunda-feira que a UE enviaria investigadores à Ucrânia para ajudar o procurador-geral local a “documentar crimes de guerra”.

Miniatura do vídeo do Youtube

Uma agência de aplicação da lei russa disse que lançou sua própria investigação sobre as alegações de massacre de civis ucranianos nos subúrbios de Kiev capturados por tropas russas.

O painel disse que as alegações foram feitas por autoridades ucranianas “com a intenção de desacreditar as tropas russas” e que os envolvidos devem ser investigados por possíveis violações da nova lei russa, que proíbe o governo de deturpar suas forças.

Biden disse que foi empurrado para trás quando descreveu Putin como um criminoso de guerra no mês passado Pelo ataque que eclodiu após o bombardeio de hospitais e maternidades na Ucrânia. Em seus comentários na segunda-feira, Biden deixou claro que o rótulo ainda se aplica.

“Esse cara é brutal. O que está acontecendo com Pucha é ultrajante. Todo mundo já viu”, disse Biden.

As investigações sobre as ações de Putin já começaram antes de novas alegações de atrocidades fora de Kiev.

Os Estados Unidos e mais de 40 outros países vêm trabalhando juntos para investigar possíveis abusos e abusos desde que a resolução foi adotada pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Há outro julgamento pelo Tribunal Penal Internacional, uma organização independente com sede na Holanda.

Enquanto isso, a embaixadora de Biden nas Nações Unidas, a embaixadora Linda Thomas-Greenfield, anunciou na segunda-feira que os Estados Unidos planejam suspender a Rússia de sua posição no Conselho de Direitos Humanos da ONU, após mais indicações de que forças russas podem estar envolvidas na guerra. Crimes na Ucrânia. Isso exigirá a decisão da Assembleia Geral da ONU.

READ  O incidente durante as negociações causou pequenas descamações na pele e olhos doloridos para Abramovich e os negociadores ucranianos.

A Rússia e os outros quatro membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Grã-Bretanha, China, França e Estados Unidos – atualmente ocupam assentos no Conselho de Direitos de Estado de 47 membros, com sede em Genebra. Os Estados Unidos voltaram ao Conselho este ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.