Nossa Política

2015: Netanyahu disse que Hitler “não queria exterminar os judeus″

2015: Netanyahu disse que Hitler “não queria exterminar os judeus″
2015: Netanyahu disse que Hitler “não queria exterminar os judeus″
Para Netanyahu, foi  o mufti de Jerusalém, Haj Amin al-Husseini, quem plantou a ideia do extermínio dos judeus europeus na mente de Adolf Hitler.

Em outubro de 2015,  Benjamin Netanyahu disse ao Congresso Sionista Mundial que Hitler só queria expulsar os judeus, mas o Grande Mufti de Jerusalém o convenceu a exterminá-los, uma alegação que foi rejeitada pela maioria dos estudiosos do Holocausto.

Publicado originalmente no Haaretz de 21 de Outubro de 2015:


O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu provocou polêmica pública quando na terça-feira (21) afirmou que o mufti de Jerusalém¹, Haj Amin al-Husseini, foi quem plantou a ideia do extermínio dos judeus europeus na mente de Adolf Hitler. O governante nazista, disse Netanyahu, não tinha intenção de matar os judeus, mas apenas para expulsá-los.

Em um discurso antes do Congresso Sionista Mundial em Jerusalém, Netanyahu descreveu um encontro entre Husseini e Hitler em novembro de 1941: “Hitler não queria exterminar os judeus na época, ele queria expulsar os judeus. E Haj Amin Husseini foi a Hitler e disse: “Se você expulsá-los, todos eles virão para cá (para a Palestina)”. Segundo Netanyahu, Hitler então perguntou: “O que devo fazer com eles?”, E o mufti respondeu: “Queimem eles”.

Os comentários de Netanyahu provocaram rapidamente uma tempestade na mídia social, apesar de Netanyahu ter feito uma afirmação semelhante durante um discurso do Knesset em 2012, onde ele descreveu Husseini como “um dos principais arquitetos” da solução final.

A alegação de que Husseini foi o único a iniciar o extermínio do judaísmo europeu havia sido sugerida por vários historiadores nas margens da pesquisa sobre o Holocausto, mas foi rejeitada pelos estudiosos mais aceitos.


¹Mufti de Jerusalém  é o clérigo muçulmano sunita responsável pelos lugares sagrados islâmicos de Jerusalém, incluindo a Mesquita Al-Aqs; ele é também um intelectual a quem é reconhecida a superior capacidade de interpretar a lei islâmica.

Escreva um comentário

Categorias