Nossa Política

Moro deveria pedir demissão

Moro deveria pedir demissão
Moro deveria pedir demissão
Moro deveria pedir demissão não somente por este episódio. Mas também por ter se acoelhado em outros momentos para satisfazer os desejos e as vontades de políticos governistas.

A aventura de Sérgio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro tem episódios de recuos que são amargos para o ex-juiz da Lava Jato. Ontem, um destes episódios deixou transparecer que Moro não é superministro e que não tem carta branca no governo. Ao esperar pelo apoio de Bolsonaro à nomeação da cientista política Ilona Szabó, para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), foi agredido nas redes sociais pela trupe que elegeu o seu chefe.

Isso significa que Moro não tem autonomia sequer para nomear alguém no seu ministério, sem que antes seja escrutinado por uma patrulha ideológica que não pouparia nem o próprio presidente, seu “mito”, para defender a agenda conservadora.

E ministro que não tem autonomia, pode pedir o boné.

Moro deveria pedir demissão não somente por este episódio. Mas também por ter se acoelhado em outros momentos para satisfazer os desejos e as vontades de políticos governistas que imaginam estar com o garfo e a faca nas mãos. Evidente desgaste causou-lhe, por exemplo, o afrouxamento das punições contra o caixa 2, que havia sido tratado por ele [Moro], antes de assumir o ministério, como um crime tão pernicioso quanto a corrupção.

Pular do barco agora talvez evitasse que, mais tarde, novos episódios criassem este clima de “ministro que não manda nada” e só aparece para manter no alto a bandeira da moralidade. Mais uma vez escrutinado ou patrulhado pela turma do limbo digital, Moro corre o risco de ser achincalhado, cair na desgraça de ser odiado pela esquerda e pela direita.

Um governo que não permite pensamento diferente ao dos  seus líderes não tem futuro nenhum. Bolsonaro é só uma barcaça velha navegando sob sopro da ignorância nacional. Quando este sopro perder a força, os políticos que estiverem na barcaça vão procurar outros barcos mais robustos para se salvar. Eles também sabem nadar. E o “herói de Curitiba”? Vai pular na água e se molhar?

Escreva um comentário