Nossa Política

Facebook, YouTube e Twitter lutam para remover vídeos de atirador da Nova Zelândia

Facebook, YouTube e Twitter lutam para remover vídeos de atirador da Nova Zelândia
Facebook, YouTube e Twitter lutam para remover vídeos de atirador da Nova Zelândia
As mais importantes redes sociais lutam para impedir a propagação de cenas horríveis filmadas por um dos atiradores que mataram 49 pessoas na Nova Zelândia.

Facebook, YouTube e Twitter estão lutando para impedir a propagação de cenas horríveis que mostram o massacre em uma mesquita na Nova Zelândia. As informações são da CNN.

Dezenas de pessoas foram mortas na sexta-feira (15) em tiroteios em duas mesquitas da cidade de Christchurch. Um dos atiradores parece ter transmitido o ataque ao vivo pelo Facebook.

O vídeo perturbador, que não foi verificado pela CNN, durou quase 17 minutos e supostamente mostra o atirador entrando em uma mesquita e abrindo fogo.

“A Polícia da Nova Zelândia nos alertou sobre um vídeo no Facebook logo após o início da transmissão e removemos rapidamente as contas do Facebook, do Instagram e do vídeo”, disse Mia Garlick, diretora de política do Facebook para Austrália e Nova Zelândia.

Facebook recusou mais comentários sobre quando exatamente derrubou o vídeo.

Escreva um comentário