Nossa Política

Venezuelanos vão às ruas por Maduro e Guaidó

Venezuelanos vão às ruas por Maduro e Guaidó
Manifestações levaram milhares de venezuelanos às ruas de Caracas e cidades do interior da Venezuela. Em evidência a disputa entre Maduro e Guaidó.

A disputa pelo poder executivo mantido por Nicolás Maduro e Juan Guaidó será novamente medida nas ruas neste sábado, quando o primeiro prevê um ato massivo em Caracas e o segundo uma grande aposta que inclui manifestações em toda a Venezuela e no exterior.

As forças políticas que apoiam a legitimidade do chefe de Estado, Nicolas Maduro, são chamados a demonstrar o seu tamanho e veemência no centro da capital venezuelana, onde se espera que o líder chavista faz sua primeira aparição em um comício desde agosto passado .

O governante Partido Socialista Unido (PSUV) divulgou amplamente seu chamado através da mídia estatal, que também mostrou nos últimos dias os sinais de apoio popular a Maduro no país do petróleo.

Maduro, que tem o apoio do Alto Comando Militar e o reconhecimento dos líderes de todos os ramos do governo, com exceção do legislador, é a principal atração na atividade oficial que servem para comemorar o 20º aniversário da chegada ao poder de Revolução Bolivariana.

Sexta-feira, o líder chavista voltou a ser acompanhados por militares e apelou aos militares para “expandir” e “fortalecer” a “inteligência preventiva” no contexto do que ele considera uma “batalha histórica” ​​contra “mais agressividade” que garante Ele enfrentou seu país.

Por outro lado, seus detratores planejam repetir a façanha de 23 de janeiro, quando eles eram a maioria nas ruas e monopolizaram a atenção da mídia depois que Guaidó jurou perante a multidão assumir os poderes do Executivo como presidente interino.

Desde então, o presidente do Parlamento recebeu reconhecimento de numerosos países e até personalidades do entretenimento que pediram para participar das manifestações de sábado em favor de uma transição política na Venezuela.

Artistas como o colombiano Juanes, o espanhol Alejandro Sanz, o porto-riquenho Luis Fonsi lançaram na sexta-feira um apelo aos venezuelanos para “resistir” contra Maduro que, segundo eles, oprime seus cidadãos.

Através de um vídeo transmitido no Twitter pelos artistas, o “mundo inteiro” é convidado a ir às ruas no sábado “para a Venezuela em uma marcha global pela necessidade de um corredor humanitário”.

“Estamos aqui em total apoio a esse processo de transição”, diz o porto-riquenho Tommy Torres, enquanto o argentino Diego Torres acredita que a Venezuela está no caminho “rumo a um novo estágio e em direção à liberdade”.

“Chega de tirania, chega de fome, chega de miséria, chega de falta de liberdade”, acrescenta o espanhol Miguel Bosé, outro confessor detrator do chavismo que governa a Venezuela desde 1999.

Os artistas reiteram em sua mensagem aos venezuelanos que “não estão sozinhos” e pedem que “continuem lutando” na rota proposta pelo parlamento do país, que inclui a contratação de Maduro, um governo de transição e a convocação de eleições livres.

O gesto em questão foi recebido por Guaidó que, também por meio das redes sociais, convocou os venezuelanos a se manifestarem na rua para enviar uma mensagem ao mundo, para ajudar a tratar da “emergência humanitária” que inclui escassez de alimentos e remédios

Essas manifestações servirão para “levar uma mensagem à União Européia (UE), não apenas graças ao Parlamento, mas também ao apelo a todos os países que logo nos reconhecerão”, diz o líder político em um vídeo que foi ao ar. na sua conta do Twitter.

No mesmo dia que Guaidó recebeu sua dose diária de apoio dos Estados Unidos, o líder oficial Diosdado Cabello Washington responsabilizado se algo vier a acontecer com o chefe do Parlamento, porque, diz ele, são aqueles que se preocupam dentro do país sul-americano¨.

Fonte: Vistazo

Escreva um comentário