Nossa Política

Oposição no Paraguai vê homenagem de Bolsonaro a Stroessner como uma “afronta”

Oposição no Paraguai vê homenagem de Bolsonaro a Stroessner como uma "afronta"
Oposição no Paraguai vê homenagem de Bolsonaro a Stroessner como uma “afronta”
Para o oposicionista, o silêncio do presidente Mario Abdo Benitez, que não se pronunciou sobre a questão, sugere que “talvez  ele compartilhe essa visão” sobre a ditadura.

De acordo com o líder da oposição, Efraim Alegre, do Partido Liberal Radical Autêntico (PRLA), a homenagem de Jair Bolsonaro ao ditador Alfredo Stroessner representa uma “afronta”.

As declarações [de Bolsonaro] representam uma “afronta e desrespeito a milhares de compatriotas que foram perseguidos, torturados, e muitos mortos”, disse Efraim Alegre, nesta quarta-feira (27), após uma reunião com o Comitê Político do PLRA .

Para o oposicionista, o silêncio do presidente Mario Abdo Benitez, que não se pronunciou sobre a questão, sugere que “talvez  ele compartilhe essa visão” sobre a ditadura, porque “a mensagem que o governo está enviando é de que eles simpatizam com o stronismo” e se não o fazem, acrescentou, “seria bom que o presidente dissesse isso com muita clareza”.

Na última terça-feira (26), Bolsonaro que participou de um ato com Abdo Benitez na hidrelétrica de Itaipu compartilhada por ambos os países, referiu-se aos ditadores João Batista Figueiredo (Brasil) e Alberto Stroessner (Paraguai) como responsáveis ​​pela  construção da empresa binacional.

“Minha homenagem ao general Alfredo Stroessner”, acrescentou o presidente, sendo aplaudido pelo público.

Abdo Benítez e Bolsonaro também realizaram uma reunião bilateral em que discutiram o futuro de Itaipu, cujo Tratado de Exploração deve ser renovado por ambos os países em 2023

Especificamente, eles devem negociar Anexo C deste documento para decidir o que fazer com 50% da energia gerada pela barragem que corresponde ao Paraguai e cujos excedentes, até este ano, deve vender o vizinho no país custo.

Nesse sentido, Alegre comentou que “temem que as negociações que vêm (mantenham) essa linha stronista, de entrega dos interesses do Paraguai” em matéria de energia.

“Temos que estar atentos e em posição de não dizer ao Brasil que esses preços não serão aceitos”, afirmou.

Com informações do jornal Hoy.

Escreva um comentário