Nossa Política

O que Sérgio Moro pensava sobre o caixa 2?

O que Sérgio Moro pensava sobre o caixa 2?
O que Sérgio Moro pensava sobre o caixa 2?
O ministro da Justiça e Segurança Pública afirmou que o crime de caixa 2 é menos grave do que corrupção e crimes violentos e o crime organizado.

NOSSA POLÍTICA resgatou algumas declarações de Sérgio Moro, sobre o caixa 2, antes de ele apresentar o pacote anticrime que não coloca o caixa 2 como prática criminosa grave.

13/01/2019 — O ministro da Justiça, Sergio Moro, pretende incluir a criminalização do caixa 2 eleitoral no pacote de medidas que apresentará à Câmara em fevereiro.

Segundo pessoas que acompanham as discussões, o ministro quer fazer com que a lei eleitoral seja mais clara e objetiva e que tenha uma pena maior para a prática de uso de dinheiro não declarado por candidatos em campanhas.

07/02/2019 — O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, defendeu a criminalização do caixa dois, um dos pontos do projeto anticrime que começou a se apresentado por ele no começo da semana. “Os políticos que me perdoem, mas caixa dois é trapaça, é crime. Não tão grave quanto a corrupção, mas tem de ser criminalizado”, afirmou o ministro.

08/04/2017 — Em palestra na Universidade de Harvard, Cambridge, nos EUA, o então juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, sobre o caixa 2, afirmou que a corrupção para financiamento de campanha é pior que o desvio de recursos para o enriquecimento ilícito.

Temos que falar a verdade, a Caixa 2 nas eleições é trapaça, é um crime contra a democracia. Me causa espécie quando alguns sugerem fazer uma distinção entre a corrupção para fins de enriquecimento ilícito e a corrupção para fins de financiamento ilícito de campanha eleitoral. Para mim a corrupção para financiamento de campanha é pior que para o enriquecimento ilícito. Se eu peguei essa propina e coloquei em uma conta na suíça, isso é um crime, mas esse dinheiro está lá, não está mais fazendo mal a ninguém naquele momento. Agora, se eu utilizo para ganhar uma eleição, para trapacear uma eleição, isso para mim é terrível. Eu não estou me referindo a nenhuma campanha eleitoral específica, estou falando em geral.

21/11/2016 — Sentindo-se “obrigado a vir a público manifestar-se a respeito, considerando o possível impacto nos processos já julgados ou em curso”, Moro emitiu nota contestando as possíveis articulações para anistiar o crime de caixa 2 no projeto que estabelecia medidas contra a corrupção (PL 4.850/16), em debate na Câmara dos Deputados.

Moro afirma na nota que “toda anistia é questionável, pois estimula o desprezo à lei e gera desconfiança”. Por isso, diz o juiz, a possibilidade de anistiar os crimes de doações eleitorais não registradas deveria ser “amplamente discutida com a população” e “objeto de intensa deliberação parlamentar”.

O juiz se diz preocupado com a possibilidade de que a anistia ao caixa 2 beneficie infratores que tenham praticado corrupção e lavagem de dinheiro justamente por meio de doações eleitorais. “Impactaria não só as investigações e os processos já julgados no âmbito da Operação Lava Jato, mas a integridade e a credibilidade, interna e externa, do Estado de Direito e da democracia brasileira”, argumenta.

Ao encerrar a nota, Sergio Moro manifesta “esperança” de que a medida não seja aprovada pelos congressistas, “zelosos de suas elevadas responsabilidades”.

Escreva um comentário