Nossa Política

“Espero que ‘Marighella’ seja maior que o Governo de Bolsonaro”, diz Wagner Moura

“Espero que ‘Marighella’ seja maior que o Governo de Bolsonaro”, diz Wagner Moura
“Espero que ‘Marighella’ seja maior que o Governo de Bolsonaro”, diz Wagner Moura
“Marighella fala de alguém que resistiu naquela época e se dirige a quem resiste agora: a comunidade LGBTI, os negros, os moradores das favelas…”.

Do El País:


O festival de Berlim sempre foi propenso aos filmes políticos. Por isso, o fato de Marighella ter sido o último filme na seção oficial — embora fora de concurso — da última edição sob a batuta de Dieter Kosslick, que dirige o concurso há 18 anos, faz todo o sentido para a Berlinale. Marighella é a estreia como diretor do ator Wagner Moura, que já tem uma longa carreira marcada por seu Pablo Escobar da série Narcos e escolheu, para seu salto, ilustrar os cinco últimos anos de vida — de 1964 a 1969 — de Carlos Marighella, político e escritor, líder do Partido Comunista Brasileiro, que foi expulso da sigla quando, depois do golpe de Estado de abril de 1964, decidiu passar para a luta armada.

Moura se deu muito bem como cineasta. Seu Marighella é vibrante, cheio de ação — o ator sabia bem a lição depois de estrelar Tropa de elite e sua continuação —, filmado com brio, com personagens com nuances… Pode ser que o filme padeça de certo maniqueísmo, mas, diante da conjuntura brasileira, Moura deu prioridade ao óbvio paralelo que vive o país meio século depois que Marighella foi executado pela polícia, após acabar de escrever o Minimanual do Guerrilheiro Urbano.

Daí que na entrevista coletiva, na qual Moura foi acompanhado por 30 membros da equipe artística e técnica do filme, houvesse muita raiva e emoção. Alguns atores chegaram a chorar. Moura disse que não ia dirigir o longa: “Meu primeiro instinto, depois de ler a biografia em que se baseia o roteiro, foi produzir o filme. Como não encontrei um diretor, eu me arrisquei, já que não achava que ia ser tão complicado. Só me considero um ator que dirige. Por outro lado, foi a experiência artística mais importante da minha vida”. Sobre o momento de estreia de seu thriller, o cineasta disse: “Nós o iniciamos em 2015, depois do golpe de Estado [o impeachment de Dilma Rousseff]. Não é uma resposta a um Governo em particular. Espero que meu filme seja maior que o atual Governo de Bolsonaro, e é a primeira resposta da cultura a esta situação. Marighella fala de alguém que resistiu naquela época e se dirige a quem resiste agora: a comunidade LGBTI, os negros, os moradores das favelas…”.

Moura falou inglês na maior parte da coletiva, buscando pausadamente suas palavras, nervoso. Sobre o paralelismo da sua história com a atualidade, algo salientado em diversos momentos (por exemplo, alguém pega uma câmera e olha para a câmera que filma, para o espectador), ele explicou: “Marighella, líder social negro, foi assassinado em 1969 dentro de um carro por disparos da polícia. Meio século depois, uma ativista social negra [refere-se a Marielle Franco] foi assassinada no Rio dentro de um carro por membros das forças de segurança. A situação de torturas e assassinatos é a mesma. É o Estado que não mudou, e ele escolhe seus inimigos. Os paralelismos são muito claros para mim. Não é um documentário, os personagens são amálgamas de gente real, mas as situações e os sentimentos são reais”.

E aumentou sua contundência: “Sofremos uma situação horrorosa, a pior que o Brasil vive desde a ditadura. Hoje há um genocídio contra a população negra, contra quem vive nas favelas. Temos um presidente homofóbico. Sei que quando voltarmos ao Brasil nos cobrirão de merda, mas não me preocupa; o mais importante era estrear este filme”. Ele está propondo uma luta armada? “Não, não quero que ninguém se levante em armas, Não, o filme fala do sacmrifício, daquilo que esses homens e mulheres deixaram para trás em nome do bem comum. Em momentos decisivos há pessoas que decidem ficar em casa, e outros que fazem o que têm que fazer. E eu os admiro. Lanço uma mensagem ao público para que resista. É como o diálogo final entre um dos amigos de Marighella, do seu grupo ALN [Ação Libertadora Nacional], com o policial que o está torturando e que lhe informa que mataram Carlos: ‘Perdeu’, provoca. E o guerrilheiro responde: ‘Não, você perdeu’. Porque há vitórias morais, porque a resistência então e agora será imparável, porque viverá em cada garoto que receber essa mensagem.”

O resto do elenco e as duas produtoras presentes na sala já avisaram sobre a grande dificuldade de estrear Marighella em seu país. “Gostaríamos de lançá-la depois de sua exibição aqui em Berlim. Mas talvez tenhamos que recorrer inclusive a um crowdfunding”. O músico Seu Jorge, um dos mais importantes do Brasil, que encarna Marighella na tela, falou sobre as dificuldades de se preparar para o papel e sobre como considera importante “que o filme estreie neste momento”. Moura acrescentou: “Bolsonaro faz como todos os governos fascistas brasileiros: primeiro criminalizas a cultura, depois muda o significado das palavras… nos colégios, especialmente nos privados, fala-se da Revolução Francesa, e não se dedica nenhuma linha a falar da brasileira, uma revolução negra. Esconde-se a história. Temos que repensar nosso país”.

Ao final, depois de comentar que sua maior influência, “acreditem ou não”, foram os irmãos Dardenne, Moura voltou a falar da estreia do filme no Brasil e em como o cinema é caro no país: “Temos que pensar em algo, porque seria triste que as pessoas na qual Marighella pensava não vissem o filme. Se a projetariam a Lula na prisão? Não tinha pensado nisso, mas adoraria”.


Escreva um comentário