Nossa Política

Quem é Juan Guaidó, o homem que se intitula presidente interino da Venezuela?

Quem é Juan Guaidó, o homem que se intitula presidente interino da Venezuela?
O presidente da Assembleia Nacional que se define em seu Twitter como um “funcionário público no amor com a Venezuela”, convocou uma grande mobilização que ocorre nesta quarta-feira (23), em Caracas.

Juan Gerardo Guaidó Márquez tem 35 anos e ocupa a presidência da AN como deputado da Vontade Popular. É engenheiro industrial da Universidade Católica Andrés Bello, da Venezuela.

Seu primeiro cargo político foi assumido em 2011, quando ocupou um assento na Assembléia Nacional da Vontade Popular, fazendo parte da Mesa Redonda da Unidade Democrática (MUD).

Em 2016, o líder venezuelano foi reeleito como deputado da Assembleia Nacional, que foi posteriormente declarado com desprezo. Mas, desde janeiro de 2018, Guaidó liderou a Fração da Maioria, uma divisão dentro do MUD.

O presidente da Assembleia Nacional que se define em seu Twitter como um “funcionário público no amor com a Venezuela”, pediu uma grande mobilização em 23 de janeiro, a data em que a queda da ditadura de Marcos Pérez.

A breve detenção sofrida por Guaidó ontem enfraqueceu ainda mais o clima político no país caribenho, cujos poderes legislativos – o único que controla a oposição – e o Executivo desconhecem um ao outro.

Guaidó foi interceptado por agentes Sebin na estrada que liga Caracas com o Estado costeiro de Vargas, onde ele estava indo para conduzir uma reunião aberta.

Sua detenção era conhecida através das redes sociais, quando foi divulgado um vídeo em que vários agentes são vistos assumindo o controle do veículo que o movia.

A partir de sua liberdade, soube-se quando o próprio Guaidó enviou uma mensagem telefônica para seus colaboradores e companheiros de partido, que também foi reproduzido nas redes sociais.

Guaidó pediu apoio civil, militar e internacional para assumir o comando do governo na Venezuela, em vista da ilegitimidade atribuída pela Câmara e grande parte da comunidade internacional ao chefe de Estado.

Maduro, por sua vez, prometeu na quinta-feira (10/01) seu segundo mandato de seis anos após a obtenção de re-eleição em maio passado, em uma eleição denunciada como fraudulenta e sem a participação de boa parte da oposição ao regime.

Fonte: El País

Escreva um comentário