Nossa Política

Organização islâmica critica Bolsonaro

Organização islâmica critica Bolsonaro
Organização islâmica critica Bolsonaro
O presidente está, assim, incitando os brasileiros contra uma parcela minoritária da população que não tem absolutamente nada a ver com o que foi mostrado no vídeo.

O site Iqara Islam, que trata sobre assuntos diversos do mundo Islâmico emitiu uma nota sobre o vídeo de um apedrejamento publicado por Bolsonaro, criticando o presidente

Leia na íntegra:

Nota de Esclarecimento sobre Vídeo de Apedrejamento Publicado pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro :

O Presidente Jair Messias Bolsonaro publicou ontem uma postagem em que acusa indiscriminadamente os “muçulmanos” de quererem “invadir o Ocidente” e “nos submeter” a aberrações como o apedrejamento de mulheres (https://www.facebook.com/jairmessias.bolsonaro/posts/1340804376068545). A publicação foi de uma infelicidade e uma irresponsabilidade extremas. Além de denotar uma ignorância abismal da religião e da lei islâmicas, inadmissível por parte do governante máximo do país, ela ignora também o fato de que DENTRO DO BRASIL há cerca de um milhão de muçulmanos, a imensa maioria dos quais nascida aqui, sendo muitos de ascendência não árabe. O presidente está, assim, incitando os brasileiros contra uma parcela minoritária da população que não tem absolutamente nada a ver com o que foi mostrado no vídeo. Mas qual é a verdade sobre a relação entre apedrejamento e Islam?

A pena de morte por apedrejamento para adúlteras e adúlteros PÚBLICOS (pessoas casadas, não somente mulheres, mas também HOMENS, que traem seus cônjuges publicamente, ou seja, têm sua relação sexual presenciada por menos quatro testemunhas oculares) não está no Alcorão. Sempre foi vista como uma pena máxima passível de ser estabelecida pela autoridade legal (nunca pelo povo comum) para evitar iniciativas pessoais de “limpeza da honra”, e não como pena obrigatória que qualquer um pode aplicar. Hoje em dia, é legalmente praticada somente em sete dos cinquenta e sete países muçulmanos do mundo e mesmo neles é cada vez mais rara, sendo reprovada pela imensa maioria das autoridades religiosas. Contam-se nos dedos de uma mão os casos de apedrejamento que ocorrem a cada ano, e a maioria deles é praticada por grupos terroristas, repudiados por todos os muçulmanos tradicionais do mundo (http://news.trust.org//item/20130927165059-w9g0i). Portanto, atribuir cenas como a do vídeo aos “muçulmanos” é, para dizer o mínimo, uma generalização indevida.

Generalizações desse tipo até podem ser toleradas se procedem de uma pessoa comum, que não tem o dever de conhecer como as coisas funcionam mundo afora, mas vindas de um presidente são uma falha gravíssima que só servirá para incentivar a violência contra os cerca de um milhão de muçulmanos que vivem no Brasil (a maioria de terceira geração) e que não apedrejam ninguém. Muçulmanos vivem no Brasil há mais de cem anos, são em número expressivo e nunca, neste país, houve uma única sessão de apedrejamento promovida por eles. Sendo assim, nossa pergunta é: Qual é o propósito desse tipo de discurso?

O vídeo publicado pelo presidente se passa no Afeganistão, país em que o apedrejamento é considerado crime pelas leis vigentes. Quem pratica o ato é, portanto, um grupo terrorista criminoso. Ora, crimes hediondos são praticados por extremistas de todos os tipos e de todas as religiões, inclusive no Brasil. Atribuir de forma irrestrita esse tipo de comportamento a uma religião que conta com mais de um bilhão de adeptos no mundo inteiro denota não somente falta de informação, mas até falta de raciocínio e de bom senso. Não cremos ser demais esperar isso do presidente da república e dos que o auxiliam e fazem publicações nas redes sociais em seu nome.

Sugerimos ao presidente que converse com seus assessores e se informe sobre a realidade do Islam enquanto religião e enquanto princípio organizador das sociedades islâmicas. Melhor ainda, sugerimos que se abra ao diálogo com as comunidades muçulmanas brasileiras. Poderá assim evitar cometer erros crassos como o dessa postagem, que contribuirá para fazer com que mais moças muçulmanas levem pedradas nas ruas das cidades do Brasil – como, infelizmente, já acontece. É inadmissível que o governante máximo da nação dê tamanha demonstração de ignorância e incite o ódio contra toda uma comunidade, muitos membros da qual inclusive são seus eleitores. Esperamos que ele mude de postura, inclusive publicamente, e não engula os chavões anti-islâmicos propagados pelos mesmos grupos ocidentais que criaram e armaram o Talibã e o Estado Islâmico e são amigos dos governos que mais promovem a ideologia terrorista hoje em dia dentro do mundo islâmico.

Ass: Administração Iqara Islam.


1 comentário