Nossa Política

Jornalistas são proibidos de fotografar Bolsonaro

Jornalistas são proibidos de fotografar Bolsonaro
Jornalistas são proibidos de fotografar Bolsonaro
No local, seguranças subordinados ao GSI determinaram que os jornalistas não fizessem nenhuma foto ou vídeo do presidente. Inicialmente, alegaram motivos de segurança.

Do UOL:


Jornalistas que foram cobrir uma visita do presidente Jair Bolsonaro (PSL) a um órgão do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), em Brasília, foram impedidos de segurar os próprios celulares e registrar o momento em que ele entrou no prédio, na tarde desta quinta-feira (3).

Bolsonaro chegou à Secretaria de Segurança e Coordenação Presidencial do GSI por volta das 15h10, acompanhado do ministro da pasta, general Augusto Heleno. Mais de de meia hora antes, fotógrafos e cinegrafistas foram posicionados em um “cercadinho” ao lado da porta de entrada do prédio, e repórteres, levados ao mezanino, de onde podiam observar de cima o presidente.

No local, seguranças subordinados ao GSI determinaram que os jornalistas não fizessem nenhuma foto ou vídeo do presidente. Inicialmente, alegaram motivos de segurança. Quando a reportagem do UOL insistiu no questionamento sobre a medida, foi informada por um deles que o problema era “o ângulo”. Em seguida, disse se tratar de “uma ordem do major”, negando-se a informar o nome do oficial.

Na hora da chegada de Bolsonaro ao prédio, todos os jornalistas que estavam no mezanino foram orientados a ficar “com as mãos livres, sem copos, sem celular”.

Uma repórter que bebia água em um copo plástico foi repreendida por um agente.

General nega “excessos”

Durante a entrevista, Heleno disse que a medida seguiu um “protocolo de procedimento”, que segundo jornalistas que cobriram governos anteriores nunca foram seguidos diante de presidentes. Ele afirmou ainda que “no mundo inteiro é assim”. “Já imaginou se o celular cai da sua mão e cai na cabeça do presidente? Eu vou dizer para ele o quê?”, sugeriu o ministro, que negou qualquer excesso na segurança. “Ou se tem segurança ou não tem segurança”, declarou.

(…)


1 comentário