Nossa Política

Bolsonaro retira de discurso trecho sobre redução da desigualdade social

Bolsonaro retira de discurso trecho sobre redução da desigualdade social
Bolsonaro retira de discurso trecho sobre redução da desigualdade social
A versão original do texto, distribuída pela assessoria da equipe de transição do novo governo, afirmava que investimentos em educação poderiam atenuar as diferenças entre ricos e pobres no país.

Da Folha:


Em seu segundo discurso na cerimônia de posse de terça-feira (1), no parlatório do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro omitiu um trecho que fazia referência à redução da desigualdade social.

A versão original do texto, distribuída pela assessoria da equipe de transição do novo governo, afirmava que investimentos em educação poderiam atenuar as diferenças entre ricos e pobres no país.

“Pela primeira vez, o Brasil irá priorizar a educação básica, que é a que realmente transforma o presente e o futuro de nossos filhos e netos, diminuindo a desigualdade social”, dizia o texto divulgado inicialmente.

Do alto do parlatório, Bolsonaro interrompeu a frase na metade. Falou sobre a educação e o futuro, mas não mencionou a desigualdade.

“Pela primeira vez, o Brasil irá priorizar a educação básica, que é a que realmente transforma o presente e faz o futuro de nossos filhos”, declarou o presidente.

Bolsonaro leu o discurso no parlatório em papel. À exceção desse trecho, o presidente desviou poucas vezes do script e reproduziu textualmente quase todo o restante.

Nos dois pronunciamentos de terça, Bolsonaro não fez menção à pobreza e ao papel do governo no combate a desigualdades sociais. Disse apenas que o brasileiro pode sonhar com melhores condições “para usufruir do fruto do seu trabalho pela meritocracia”.

Auxiliares de Bolsonaro afirmam que o corte do trecho que mencionava a desigualdade social foi apenas um lapso e que, portanto, a omissão não foi planejada.

Segundo o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, o presidente não fez nenhuma alteração no texto antes de subir ao parlatório.

“Ele deve ter pulado, até porque seria bom fazer referência à desigualdade”, disse. “Não é fácil ler discurso assim. De repente, as letras começam a se embaralhar”, brincou.

Heleno foi um dos principais responsáveis pela elaboração dos discursos de posse. O presidente também foi auxiliado por seus filhos.

Além do trecho sobre desigualdades, Bolsonaro teve dois momentos de improviso. O mais emblemático foi o encerramento, quando pegou uma bandeira do Brasil e repetiu um lema antipetista que seus apoiadores exploraram durante a campanha.

(…)


Escreva um comentário