Brasil

Polícia do RS investiga ameaças de bolsonarista a menina com síndrome Down

Polícia do RS investiga ameaças de bolsonarista a menina com síndrome Down

Polícia do RS investiga ameaças de bolsonarista a menina com síndrome Down

Nos livros da menina, que é portadora de síndrome de Down, um bilhete com o recado: “negro na senzala/gay no armário/retardado na apae/ B17”.

Da Folha:


​No dia 24 de outubro, a veterinária Daniela Pimentel Chaves, 43, estava na sala de casa, preparando a mochila para a filha ir à escola, como todos os dias. O marido fazia o almoço na cozinha e a menina, de 8 anos, se arrumava no quarto. Ela parou quando encontrou, entre os livros, um pedaço de papel com o recado: “negro na senzala/gay no armário/retardado na apae/ B17”.

A assinatura faz referência à candidatura do presidente eleito no domingo (28), Jair Bolsonaro (PSL). Nas redes sociais, Daniela havia se manifestado a favor de Fernando Haddad (PT).

“Eu tenho uma posição política bem definida, quem me conhece sabe. Então, acho que usaram ela para me atingir. No primeiro momento, amassei e botei no lixo, mas fiquei com aquilo entalado na garganta. Mostrei para o meu marido e fomos à polícia”, conta à Folha.

O caso aconteceu em Passo Fundo, no interior do Rio Grande do Sul. O casal registrou um boletim de ocorrência e procurou a escola onde Maria Eduarda, que tem síndrome de Down, estuda há três anos. Eles acreditam que o bilhete tenha sido colocado na mochila ainda no local.

“Nos pegou de surpresa, porque nunca havia notado preconceito contra ela. Ela se dá muito bem com os colegas, não é a única criança de inclusão na escola. Cheguei a pensar se não foi alguém de fora”, diz a mãe.

Nos comentários de sites que repercutiram a história, Daniela foi acusada de ter forjado o recado para forçar um ponto de vista político.

O Instituto Educacional Metodista, que tem 98 anos de atuação, abriu uma sindicância interna para apurar os fatos. Segundo o diretor da escola, Rubem Nei da Silva, funcionários e professores foram ouvidos e as imagens do circuito interno de segurança encaminhadas à polícia.

“É muito ruim, é desumano até. O conteúdo é racista, homofóbico e agressivo. A escola está condenando veementemente”, avalia Silva.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar o ocorrido e começou a ouvir funcionários da escola. O caso está com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Passo Fundo.

(…)


1 Comentário

  • Acho que tem algumas pessoas que deveriam procurar coisas interessantes para fazer do que ficar inventando histórias. Não tem nem cabimento essa coisa. Com certeza é gente do contra fazendo coisinha de gente coisa.

Deixe um Comentário!