Mídia

Jornalista é demitido após publicar texto crítico a Bolsonaro

Jornalista é demitido após publicar texto crítico a Bolsonaro

Jornalista é demitido após publicar texto crítico a Bolsonaro

Rogério Galindo, que assinava o blog Caixa Zero, foi demitido da Gazeta do Povo após 18 anos de carreira no jornal após criticar a eleição de Jair Bolsonaro.

Responsável pelo blog Caixa Zero, o jornalista Rogério Galindo foi demitido nesta segunda-feira (5) da Gazeta do Povo. Ele estava na publicação há 18 nos era uma das poucas vozes progressistas do jornal conservador.

Ele escreveu o texto com o título “A imprensa elegeu Bolsonaro ao ser conivente com o ódio” na semana da eleição do capitão reformado. Perdeu o emprego depois.

Ao despedir-se, pelo Facebook, Galindo afirmou:

Fui demitido hoje da Gazeta do Povo, depois de 18 anos. Minha única ambição é que meus filhos, quando vierem a entender o mundo, achem que as decisões que eu tomei e que me trouxeram até aqui foram acertadas.

De resto, é tentar evitar arrependimentos e rancores, tentar construir coisas novas e um mundo melhor pra essa meninada que está chegando. Fora isso, não tenho muitos planos.

Beijo pra todo mundo que fez parte dessa história. Vocês estão na minha memória sempre. E boa sorte pra quem fica. O jornalismo precisa de vocês.

Confira a seguir o artigo de Rogério Galindo:


A imprensa elegeu Bolsonaro ao ser conivente com o ódio

O ódio venceu. O ódio ao diferente, a intransigência com a pluralidade. Venceram a tortura, a misoginia, a homofobia, o racismo. Venceu o autoritarismo, o retrocesso de quem quer levar o país de volta ao ponto em que estava “40 ou 50 anos atrás”.

Jair Bolsonaro não derrotou sozinho o projeto civilizatório do Brasil. Para derrubar tudo o que se construiu desde 1985, desde a redemocratização, se uniram muitas forças.

Uniram-se as forças de segurança, que a democracia jamais soube domar.

Uniram-se as igrejas ultraconservadoras que não toleram o outro.

Uniram-se os donos da riqueza do país, que sempre mostraram ódio à democracia.

Mas é preciso neste momento dar nome aos bois e dizer que uma parte gigantesca da culpa por este retrocesso cabe aos barões da imprensa brasileira. E aqui cabe diferenciar entre veículos independentes e veículos do baronato. E cabe diferenciar entre o chão de fábrica e os donos.

Enquanto os veículos jovens se esforçaram ao máximo por fazer jornalismo (Nexo, Poder 360, Livre.Jor), os jornalões se afundaram na conivência com uma candidatura criminosa.

Jamais num país decente, com uma imprensa digna do nome, as coisas poderiam ter se passado como se passaram no Brasil.

Um candidato não pode defender censura à imprensa, tortura, ditadura e passar incólume como passou este mero capitão da reserva.

Não é possível tolerar o intolerável.

Em qualquer lugar civilizado, o discurso em que o candidato, há uma semana da eleição, promete mandar para a Ponta da Praia, um centro de tortura e extermínio, os seus inimigos políticos, teria levado às mais ásperas manchetes, aos editoriais mais incisivos.

Aqui, falou-se que o candidato moderou o discurso.

Os editoriais dos jornais deram vergonha. Os mesmos jornais que foram tigrões diante de Dilma Rousseff se mostraram tchutchucas deparados com um capitão torturador.

Fizeram-se ataques violentos ao petismo, e deixou-se parecer que do outro lado havia um santo. O santo, senhores, é um bárbaro que defende que se coloquem ratos nas vaginas de presidiárias, que se chamem filhos para ver a tortura dos pais nus.

O homem que prometeu fechar o Congresso no primeiro dia de poder chegou à Presidência.
Só a união das forças democráticas nos salvará. Mas, para isso, não contem com os jornais. Eles já mostraram de que lado estão.


2 Comentários

  • Essa demissão é mostra de intolerância e ataque à liberdade de imprensa, elegeu -se um presidente em regime democrático, que certamente irá se deparar com críticas a menos que o eleito assuma atitudes ditatoriais e passe a perseguir desafetos e oposição.

  • Um estúpido! A imprensa inteira junto com a mídia, partidos políticos, enfim, o mundo inteiro, tentando destruir uma candidatura sem recurso algum de forma totalmente injusta e desproporcional; e mesmo assim Bolsonaro ganhou porque o povo QUIS! Daí vem um cara desse falando uma besteira dessa. Péssimo jornalista que não enxerga o óbvio merece ser demitido, sim.

Deixe um Comentário!