Educação

Escola suspende livro por ser considerado comunista

Escola suspende livro por ser considerado comunista

Escola suspende livro por ser considerado comunista

Colégio Santo Agostinho do Leblon retira obra escrita nos anos 1980 de lista de leitura do sexto ano; ‘Meninos sem pátria’ retrata vida de família exilada na ditadura.

Do Globo:


Zé Maria chega em casa apavorado e anuncia para a família que o jornal em que trabalhava foi fechado pelos militares. Deixa o país, a mulher e os dois filhos, que depois o encontram no Chile. Não ficam lá muito tempo — vão para o exílio em Paris logo depois que o ditador Augusto Pinochet assume o poder em Santiago.

Esta é a história de “Meninos sem pátria” (Ática), livro de Luiz Puntel lançado em 1981 e que já está na 23ª edição. Apesar da longevidade, a obra enfrenta agora uma situação inédita — a pedido de alguns pais, o Colégio Santo Agostinho Leblon, na Zona Sul, suspendeu sua leitura, prevista desde o início do ano letivo.

Pais de estudantes do 6º ano alegaram à escola que o livro “doutrina crianças com ideologia comunista”. Em uma página do Facebook, a obra é acusada de promover um “discurso esquerdopata”. No entanto, a decisão também foi alvo de críticas por internautas que se queixaram de ver o colégio se render a um “faniquito”. Procurada pelo GLOBO, a coordenação do Santo Agostinho não quis se manifestar.

Puntel destaca que o livro foi escrito dois anos após a anistia, evento histórico que lhe serviu de inspiração. O educador reforça que “Meninos sem pátria” se baseia no drama da volta dos exilados, e não em uma apologia ao comunismo.

— Falo sobre algo que aconteceu no final da ditadura militar. E agora, mais de 30 anos depois, um pai vê o filho lendo o livro e o interpreta como uma apologia ao comunismo — critica. — Lamento a existência da censura quando vemos como o país precisa da democracia. Quero pensar um pouco e ver com a editora se alguma coisa precisa ser feita.


Deixe um Comentário!