Notícias

Economist e Financial Times voltam a criticar Bolsonaro

Economist e Financial Times voltam a criticar Bolsonaro

Economist e Financial Times voltam a criticar Bolsonaro

Economist diz que o país está “revivendo o casamento profano da América Latina entre economia de mercado e autoritarismo político”.

Do InfoMoney:


Na reta final da eleição presidencial, diversos veículos da imprensa estrangeira passaram a atacar (ainda mais) o candidato Jair Bolsonaro (PSL). Nesta quinta-feira (25), The Economist e Financial Times publicaram dois artigos cada um fazendo duras críticas ao líder das pesquisas para ser o próximo presidente do Brasil.

Em matéria bastante extensa sobre a opinião pública brasileira, o jornal britânico Financial Times diz que Bolsonaro, como uma ameaça, representa uma “bola de demolição” na política brasileira pelos seus opositores. E esta visão, de acordo com o texto, surgiu da ideia de que ele é uma reação ao atual cenário de crise pela qual o País passa.

Já em segundo texto publicado hoje, o FT afirma que uma vitória do deputado coloca em a democracia brasileira em teste. A publicação diz que há quem veja um exagero nos riscos apontados contra Bolsonaro, de que ele seria “apenas conversa” diante de instituições brasileiras robustas.

Por outro lado, o jornal deixa um alerta: “eles podem estar certos. Mas a experiência recente sugere que poucas democracias podem conter completamente um autocrata determinado com um forte mandato”.

“Quando um candidato anuncia que ele irá atrás da imprensa, usa o estado para atacar seus oponentes e intimidar os tribunais, ele geralmente quer dizer isso mesmo”, conclui a matéria.

Já The Economist, como já tem sido comum nas últimas semanas, voltou a fazer duras críticas contra candidato em sua edição desta semana. Sob o título “Jair Bolsonaro e a perversão do liberalismo“, a revista diz que o País está “revivendo o casamento profano da América Latina entre economia de mercado e autoritarismo político”.

“Sob uma presidência de Bolsonaro, o Brasil poderia esperar por uma economia reformada e de crescimento mais acelerado e por um presidente que mantivesse seus impulsos autoritários sob controle. Mas há muitos riscos”, afirma a Economist.

De acordo com a revista, o cenário pode parecer bom agora, mas há um grande perigo caso, por exemplo, “uma presidência de Bolsonaro desmoronasse em um conflito permanente, tanto dentro do governo quanto entre ele e uma oposição inflamada”.

“Frustrado, ele poderia atacar a legislatura e os tribunais. Separar a liberdade econômica e política pode parecer um atalho para o desenvolvimento. Mas na América Latina raramente o é: a demanda por um governo forte competiu com um persistente desejo de liberdade”, conclui a publicação.

Em outro artigo, a Economist diz que a eleição de um homem com o perfil autoritário como Bolsonaro é uma “tragédia” para o País. “Os piores efeitos de uma presidência de Bolsonaro podem ser mais difíceis de conter”, afirma o texto citando elogios do candidato à ditadura e insinuações de que seus oponentes políticos são inimigos do Estado.

(…)


Deixe um Comentário!