Editorial

Editorial | Mulheres contra o fascismo

Editorial | Mulheres contra o fascismo

Editorial | Mulheres contra o fascismo

O fato é que as mulheres vão às ruas hoje para repelir não somente as ideias do ex-capitão, mas também as ideias que pregam os seus seguidores. Esses que, por exemplo, ameaçam as pessoas de morte.

Desde a primeira notícia sobre o grupo de mulheres que se organizava no Facebook contra a candidatura de Jair Bolsonaro, NOSSA POLÍTICA esteve ao lado daquelas guerreiras com o intuito de repercutir, apoiar, direcionar novas adesões, favorecer o embate justo por elas travado.

As mulheres são a parte mais resistente da nossa sociedade. Quantas famílias são chefiadas por mães que batalham dia e noite por igualdade salarial, boas condições de trabalho, justiça social? Quantas mulheres sobrevivem sob o peso de uma sociedade patriarcal, carregada de ranços e preconceitos? Quantas mulheres resistem à violência dentro dos seus próprios lares?

Hoje elas vão sair às ruas e lutar contra tudo isso rechaçando uma candidatura que é a antessala de um regime ditatorial; elas vão chamar a atenção do Brasil para o erro gravíssimo que pode ser cometido com a eleição de um fascista. Jair Bolsonaro representa o retrocesso, mas somente isso: ele é a encarnação de um pensamento conservador que entende que as minorias não devem sequer existir.

Ele é saudoso de um tempo obscuro – vergonhoso para qualquer militar – em que generais ordenaram o assassinato de milhares de pessoas; na ditadura mulheres e homens foram torturados até a morte. Muitos deles sobreviveram, mas carregam na alma o horror e a crueldade de seus torturadores.

Jair Bolsonaro idólatra Brilhante Ustra, um homem que torturava mulheres colocando ratos em suas vaginas, dando-lhes choques elétricos nos seios. É asqueroso, mas precisa ser dito. Pois foi este homem que Bolsonaro homenageou durante o impeachment de Dilma Rousseff. O livro de cabeceira dele é de autoria de Ustra.

Elencar os posicionamentos grotescos de Bolsonaro seria reunir o conteúdo mais fascista existente desde a ditadura. O fato é que as mulheres vão às ruas hoje para repelir não somente as ideias do ex-capitão, mas também as ideias que pregam os seus seguidores. Esses que ameaçam as pessoas de morte, invadem sites e grupos de redes sociais, espalham mentiras e notícias falsas.

Continuaremos prestando total solidariedade às mulheres em sua luta. Que elas façam soprar na sociedade brasileira os ventos de uma nova utopia, sem alusões à violência e sem preconceitos. Sem alguém que seja descaradamente fascista.

Deixe um Comentário!