Economia

Mercado começa a abandonar Bolsonaro

Mercado começa a abandonar Bolsonaro

Mercado começa a abandonar Bolsonaro

O reflexo está nas publicações de bíblia do neoliberalismo como The Economist e Bloomberg. Além disso, estas publicações começam a elogiar Fernando Haddad (PT).

De Patrícia Campos Mello, na Folha:


Um colunista de esquerda do jornal progressista Guardian? Não, o autor desse comentário é de Jonathan Wheatley, um dos principais colunistas e jornalistas cobrindo mercados emergentes para o Financial Times, jornal econômico acompanhado por grande parte do mercado (e ex-correspondente no Brasil) — em podcast desta quinta-feira (20) no jornal.

“Fernando Haddad é um moderado que governou São Paulo por quatro anos, foi fiscalmente responsável e adotou ideias progressistas para transporte público que foram apoiadas pela classe média alta. Mas vem de um partido que se radicalizou muito por causa do impeachment e, economicamente, o partido quer levar o país para onde estava oito anos atrás, com Lula, um governo de grandes gastos dependente do boom das commodities, Vai ser difícil para um governo Haddad lidar com as pressões do PT e do Congresso, que certamente será hostil ao PT. Sera um equilíbrio difícil, não sei se ele tem experiência para isso.”

E esse, é talvez alguém no New York Times, que vê em Bolsonaro um Trump em gestação? Não, é Joe Leahy, chefe da sucursal do Financial Times no Brasil, no mesmo podcast.

“Com Bolsonaro fora da campanha desde que foi esfaqueado por um fanático em 6 de setembro, seu companheiro de chapa, general Hamilton Mourão, assumiu protagonismo, e sobretudo porque os vice-presidentes frequentemente assumem a presidência no Brasil. O presidente Michel temer é o terceiro a assumir desde 1985, quando o país voltou à democracia… “Tenho certeza de que Bolsonaro tem as mesmas opiniões que Mourão”, diz Monica de Bolle, vice-presidente de Estudos Latino-Americanos na Universidade Johns Hopkins. “Esses militares reformados não tem um comprometimento real com as instituições democráticas”.

Esse trecho não vem de uma reportagem de algum veículo de centro-esquerda, alertando para os perigos de um vice como Mourão assumir. Vem de uma reportagem da Bloomberg, um dos principais veículos de informações financeiras do mundo.

Sabemos que alguns dirão que esses veículos aí são todos “fake news”. Esses alguns deveriam se preocupar com uma possível debandada da “entidade” mercado, que antes apoiavam Bolsonaro de forma quase eufórica.


Deixe um Comentário!