Blog do Mailson Ramos

A guerra contra Haddad começou!

A guerra contra Haddad começou!

A guerra contra Haddad começou!

A equipe do Jornal Nacional teve quase uma hora, depois da divulgação do Datafolha, para preparar uma sabatina em que Fernando Haddad fosse acusado, pressionado, interrompido e impedido de falar.

Os tanques já estão na praça midiática. O resultado da pesquisa Datafolha – que mostrou o avanço de Fernando Haddad (PT) e o seu possível crescimento nos próximos levantamentos – chamou a atenção da mídia tradicional. A partir de agora, o candidato petista entrou na alça de mira de quem passou os últimos quatro anos demonizando a política, mas mantendo o promíscuo apoio a grupos políticos que lhe são simpáticos.

“Que Brasil você que para o futuro?”. Com a edição e a manutenção da narrativa anticorrupção, a Globo sabota o discurso da população que também não quer desigualdade social, fome, desemprego, corte de direitos, ausência do estado, austeridade somente com os pobres. Sobre o programa do PT, os apresentadores do Jornal Nacional não fizeram uma única pergunta.

Insistiram com o discurso da corrupção que ainda faz vociferar uma minoria. Porque é do ódio dessa gente que ainda vive o antipetismo. Num momento em que o Brasil precisa de propostas para sair de uma crise histórica provocada por golpes, sabotagens e conspirações, o JN insiste numa pauta que não é jornalística, mas acusatória. Não nos esqueçamos de que Sérgio Moro usou matérias do Globo na sentença de condenação de Lula.

A mesma emissora que se coloca no lugar de inquisidora e capaz de estabelecer a discussão sobre corrupção, está envolvida no escândalo da Fifa, acusada pelo argentino Alejandro Burzaco de ter pago propina para Julio Humberto Grondona, ex-presidente da Associação Argentina de Futebol, para assegurar os direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030.

Interromperam o candidato 62 vezes e muitas vezes o impediram de falar. Quando abrem espaço para alguém no horário nobre é para falar aquilo que a Globo quer ouvir ou “o Bonner já está satisfeito com sua resposta, candidato”. Bem fez o Haddad ao tentar responder como bem entendia, mas aquela é sempre uma batalha perdida. O principal telejornal da Globo é feito para no fim prevalecer a vontade da Globo e das suas narrativas.

As caras e bocas do Bonner, quase com desavergonhado desdém, são o ponto de partida para a guerra que a mídia, comandada pela Globo, vai iniciar contra o candidato do PT. Sobretudo por causa da ascensão dele na pesquisa Datafolha. Esta ânsia por desmerecer Haddad, tentar envolvê-lo em escândalos, apontar os seus pontos fracos e insistir numa mea culpa do PT são sinais do agitamento das fileiras no fronte de combate.

De qualquer modo, a Globo, que se alinha ao discurso da direita – e por mais que negue aos quatro ventos a sua partidarização -, vai pagar muito caro pelos anos em que envenenou a população com este ódio. E, como a direita, já perdeu. Pois também ela apoiou o governo de Michel Temer e a retirada de direitos (dos pobres). Como diria Brizola, chegou a hora de questionar este monopólio [da Globo]. Mas antes, a guerra.

Deixe um Comentário!