Notícias

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro

Após a mobilização de milhões de mulheres no Facebook contra Jair Bolsonaro, agora famosas entram na campanha denominada nas redes de #EleNão.

Faltam apenas de três semanas para a realização do 1º turno das eleições presidenciais e diversos famosos está aderindo à campanha #EleNão, que rechaça a candidatura de Jair Bolsonaro, do PSL, à presidência da República.

Alessandra Negrini, Deborah Secco, Maria Ribeiro, Fernanda Paes Leme, Claudia Raia, Sasha Meneghel são algumas famosas que já se manifestaram contra o candidato.

Em seu perfil no Twitter, Deborah Secco escreveu:

“#EleNao não tem a ver com política (só). Tem a ver com moral.  Com a liberdade e a dignidade de “ser” e de pensar, que eu espero que a minha filha tenha. E os filhos de todos vocês tenham também. É por isso que #EleNão”

A atriz Alessandra Negrini compartilhou em sua conta no Instagram uma imagem com os dizeres ‘Ele Não’. E reafirmou apoio às mulheres que lutam contra o candidato nas redes: “Bom dia, boa semana, e sigamos firmes”. A atriz Drica Moraes também compartilhou uma foto com a marca da campanha.

A atriz, diretora e escritora Maria Ribeiro também escreveu no Instagram:

“Pra não ficar uma frase solta que esta sendo repetida por geral: apesar de respeitar as eleitoras do Bolsonaro, e depois de ouvir que muitas votam nele por uma certa “defesa” da “família”, queria dizer que: 1 – considerar ter uma filha mulher uma coisa “menor” do que ter um filho homem não é família; 2 – dizer que preferiria um filho morto a um filho homossexual não é família; 3 – considerar a gravidez um motivo para que as mulheres ganhem menos não é família, ate porque muitos lares no Brasil são tocados sem a figura paterna. Família é amor incondicional, galera. E nem sempre isso tem a ver com sangue”.

Para surpresa de muitos, até a jornalista Rachel Sheherazade, conhecida por ser de direita, rechaçou Jair Bolsonaro por causa das declarações do seu vice, General Mourão, sobre pessoas criadas por mães ou avós:  “Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos HEROÍNAS! #elenao”.

A atriz Alice Wegmann surpreendeu os fãs com um post no Instagram:

Oi. Caso você seja eleitor do candidato da foto, antes de vir aqui me insultar, por favor, leia o que tenho a dizer. A democracia existe e a liberdade de expressão também. se você, hoje, é a favor de poder emitir opiniões sobre suas preferências políticas e sociais, lembre-se: na ditadura (que seu candidato apoia veemente), isso não seria possível. Portanto, falemos abertamente sobre nossas preferências enquanto é tempo. Minha discordância com os eleitores desse candidato não diz respeito apenas às situações políticas e partidárias, mas principalmente morais. Eu sou a favor de um mundo mais livre, justo, igualitário. Sou a favor de um país onde toda a população tenha acesso à alfabetização, a escola, saúde pública e outros direitos básicos. Não sou a favor do porte de armas. Acho que ainda temos que aprender muitas outras coisas antes de aprendermos a manusear uma destas. A cultura da violência não deve ser vangloriada, como vem fazendo esse candidato – através, inclusive, de gestos de armas com as mãos até quando está internado no hospital. Qualquer briga de bar ou trânsito daria em morte. A taxa de feminicídio aumentaria. Mais crianças morreriam. Pra violência morar dentro da sua própria casa, ela teria praticamente passagem livre. Eu não sou a favor de um candidato que diz que “deu uma fraquejada” quando teve a quarta filha nascida mulher. Senhor, eu sou mulher e sou forte pra caramba. E eu não devo ganhar um salário mais baixo que o dos homens só porque sou capaz de parir uma criança. Eu não acho que “ter filho gay é falta de porrada”. Tampouco diria, na vida, como esse candidato disse, que “prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí”. Eu vou AMAR meu filho com todo amor que houver no meu coração, e farei de tudo para que ele seja feliz, independente de gênero ou sexualidade. Eu sou uma otimista. E sonhadora, também. Penso num mundo com menos preconceito, menos intolerância, mais diversidade, mais liberdade para cada um poder ser o que quiser. Penso num mundo com menos ódio ao outro.Eu respeito e admiro as diferenças. E não voto num candidato que luta para limitá-las. #ELENÃO

 

Deixe um Comentário!