Repercussão

Salvo pelo SUS, Bolsonaro não priorizou projetos da Saúde

Salvo pelo SUS, Bolsonaro não priorizou projetos da Saúde

Salvo pelo SUS, Bolsonaro não priorizou projetos da Saúde

Por outro lado, já apresentou projetos para autorizar o porte federal de arma de fogo aos congressistas e padronizar manifestações de aplausos após a execução do Hino Nacional.

Do Congresso em Foco:


Um dos dois primeiros colocados nas pesquisas eleitorais, o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem sido cobrado em entrevistas sobre suas propostas para saúde e educação. Ele terá de mostrar até outubro o que quase não mostrou em seus 27 anos de mandato na Câmara.

Dos mais de 150 projetos apresentados por ele nesse período, apenas um trata de educação. Outros dois versam sobre saúde. Em contrapartida, o deputado apresentou pelo menos 32 propostas voltadas para os militares, categoria da qual é originário.

A única proposição de Bolsonaro ligada à educação foi apresentada há 27 anos, em 1991, quando o ex-militar estava estreando no Congresso. Por outro lado, já apresentou projetos para autorizar o porte federal de arma de fogo aos congressistas e padronizar manifestações de aplausos após a execução do Hino Nacional.

O ex-capitão do Exército, chamado de “mito” por seus eleitores, pouco conseguiu aprovar no Congresso.

Segundo levantamento da Sigalei, plataforma que usa inteligência artificial para monitorar e organizar dados legislativos, dos 147 Projetos de Lei Ordinária que o deputado apresentou de autoria própria, somente um virou lei: o PL 2.514/1996, que estende o benefício de isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática e automação.

Dois projetos de autoria do deputado foram aprovados pela Casa legislativa, mas vetados pela Presidência da República. O primeiro foi o PL 4.326/2008 que incentiva estudantes de medicina a estagiar nas Forças Armadas, e o segundo foi o PL 5.982/2009 que autoriza o porte de arma para agentes e guardas prisionais integrantes de escoltas de presos e para guardas portuárias.

(…)


Deixe um Comentário!