Política

A prepotência e a hostilidade de William Bonner

A prepotência e hostilidade de William Bonner

A prepotência e a hostilidade de William Bonner

A sabatina realizada pelo Jornal Nacional na noite desta segunda-feira (27) deixou claro que o William Bonner é a pura representação da prepotência do jornalismo da Globo.

As redes sociais não perdoaram. A sabatina com o presidenciável Ciro Gomes (PDT), realizada pelo Jornal Nacional, deixou claro que ali, o entrevistador é sempre mais importante do que o entrevistado.

Ciro Gomes, que aparece como um dos nomes com maior intenção de votos entre os eleitores brasileiros, de acordo com pesquisas de vários institutos, como o Ibope e o Datafolha, foi entrevistado pela dupla Bonner e Renata Vasconcelos.

Nas redes sociais, usuários criticaram a atuação dos apresentadores diante de um candidato à presidência da República, que foi interrompido sistematicamente.

Falastrão, Bonner elogiou a Lava Jato. Citou um amplo, universal, incondicional apoio dos brasileiros à operação conduzida pelo juiz Sérgio Moro. Talvez na tentativa de alfinetar o candidato que sempre se mostrou contra a prisão do ex-presidente Lula.

Ciro saiu em defesa do ex-presidente: “Lula não é uma satanás como a imprensa pensa, e não é um santo como parte do PT acha. Eu conheço Lula há 30 anos, tive honra de trabalhar com ele, e ele fez muita coisa boa para o Brasil. Eu faço essa menção: Lula foi um bom presidente pro Brasil e o povo sabe disso. Há 5, 7 anos atrás o Brasil estava melhor. E a população mais pobre sentiu na pele as consequências de um bom governo. No governo Dilma acabou. Mas não devemos comemorar o fato de o maior líder político do Brasil estar preso”.

1 Comentário

  • Bonner claramente debochou e quiz macular a inteligencia de Ciro maquiavelicamente. Renata Vasconcelos não ficou atrás. Primeiro tentaram desqualificar o candidato para depois entrevistar sobre programa de governo.

Deixe um Comentário!