Nossa Política » Opinião » Por que Moro tem medo das urnas?

Opinião

Por que Moro tem medo das urnas?

Por que Moro tem medo das urnas?
Por que Moro tem medo das urnas?
Conforme já sugeriu o famoso físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite, a obra de Sergio Moro e da República de Curitiba está objetivamente a serviço das classes dominantes.

Por Adilson Araújo*, do Vermelho:


Desde que os golpistas liderados por Michel Temer tomaram de assalto o Palácio do Planalto está em curso em nosso país uma agenda política profundamente reacionária e contrária aos interesses do povo e da nação. Riquezas e empresas brasileiras estão sendo entregues ao capital estrangeiro, os direitos sociais são destruídos. Criou-se um ambiente em que só prospera a miséria, a concentração da renda e a desigualdade social.

A crise econômica foi agravada tanto pelo golpe quanto pela Lava Jato, que dele fez parte. Dados do IBGE indicam que 27 milhões de trabalhadores amargam o desemprego ou a subocupação. Esses são os fatos objetivos da triste realidade que emergiu da imposição do projeto de restauração neoliberal, de caráter claramente neocolonial e subordinado e inspirado no Consenso de Washington, ou seja, ao imperialismo estadunidense. Não é sem razão que Michel Temer tornou-se o presidente mais impopular do mundo.

É verdade, porém, que se o golpe rejeitado pela maioria da sociedade contraria visivelmente a vontade da classe trabalhadora e das forças democráticas e patriotas, por outro lado ele satisfaz plenamente os interesses daqueles que o apoiaram e patrocinaram, caso dos EUA, dos grandes capitalistas, dos latifundiários. Em outras palavras, as chamadas classes dominantes, que certamente estão lucrando muito com o governo ilegítimo.

Conforme já sugeriu o famoso físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite, a obra de Sergio Moro e da República de Curitiba está objetivamente a serviço dessas classes. Os fatos históricos mostram que o combate à corrupção é um pretexto arguido com o propósito de mascarar objetivos reacionários. No passado, Getúlio Vargas e João Goulart foram suas vítimas mais célebres. Hoje, é Lula – preso injustamente – e, antes Dilma, que foi afastada no rastro de uma furiosa e falsa campanha moralista, pois em nome do combate à corrupção entronizaram a cleptocracia presidida por Temer.

O que o Brasil precisa, e o quanto antes melhor, é interromper e reverter as políticas impostas pelos golpistas, de modo a resgatar um projeto assentado na retomada do crescimento econômico e na geração de emprego e renda. Um projeto de país democrático, justo e soberano. Sabemos que a situação é gravíssima. Cresce a mortalidade infantil, doenças já erradicadas ressurgem, e o governo mais impopular da história do país quer tirar das mãos dos mais carentes e necessitados o seu maior programa de distribuição de renda e sinaliza a entrega do SUS aos interesses privados.

Como já disse um estadista norte-americano não se pode enganar a todos por todo o tempo. O povo não pensa como Moro e as pesquisas indicam que a maioria o reprova e não mais se deixa enganar por sua conversa fiada. Em contrapartida, a popularidade de Lula avança e da cadeia ele continua crescendo nas pesquisas de intenção de voto.

Ao contrário de Moro, o povo não vê risco nas urnas, mas ainda enxerga nelas uma luz no fim do escuro túnel em que o golpe enfiou o Brasil. Quer Lula porque sabe que Lula significa a reversão do golpe e a esperança de retomada de um projeto nacional de desenvolvimento fundado na soberania, na democracia e na valorização do trabalho. É disto que Moro e as classes dominantes têm medo.

*Adilson Araújo é presidente nacional da CTB (Licenciado).