Blog do Mailson Ramos Esportes

Copa? Que Copa?

Copa? Que Copa?

Copa? Que Copa?

Em 2014, quando surgiam os primeiros indícios da polarização política e da destruição do governo de Dilma Rousseff, a seleção brasileira foi utilizada para os mais baixos propósitos. E todo aquele sentimento de negatividade chegou até aqui.

Para derrubar Dilma Rousseff, utilizaram o remédio amargo simbolizado no mote Não Vai Ter Copa. Criaram uma atmosfera adversa ao evento realizado no Brasil. O clima de desesperança atingiu o seu ápice com a derrota para a Alemanha por 7 a 1.

Depois a coisa só piorou. Com Dilma reeleita, os protestos continuaram e os seus organizadores se apossaram de símbolos de nacionalismo como a camisa da seleção brasileira de futebol. Com a canarinho desfilaram pelos bairros nobres das capitais brasileiras, conduzidos por ideais diversos, mas que se concentravam no impeachment da presidenta da República.

O país mergulhou numa crise profunda. Muitos daqueles manifestantes não sabiam quem era o vice-presidente e o que medidas ele adotaria. Quais seriam os seus programas? Que rumos daria ao Brasil?

A massa ensandecida saía às ruas envenenada pela mídia  e a sua histórica sordidez em apoiar golpes. Não era a luta contra a corrupção. Era a destituição de um governo petista. E conseguiram. Michel Temer assumiu, estabeleceu medidas austeras – para os pobres –, atolado em corrupção, cercado por corruptos de todos os lados, submetido aos desejos do mercado de entregar o país sem pena e sem dó ao capital internacional.

No mesmo período estourou o escândalo de corrupção da FIFA, que demonstrou, em contrapartida, como são corruptos os dirigentes da CBF, cujo escudo os manifestantes anticorrupção levavam no peito esquerdo. Soube-se ainda que a TV Globo, que tem exclusividade na transmissão da Copa do Mundo, pagou propina para manter este privilégio até o mundial de 2030. A Globo, que convidou as pessoas a engrossar as manifestações no domingo pela manhã, ao vivo, no horário do Esporte Espetacular (15/03/2015 e 16/08/206), também havia desembolsado US$ 30 milhões em propina para transmitir a Copa América.

Aqueles que se vestiram de verde e amarelo desapareceram. Muitos deles jamais voltaram a usar a camisa da seleção com vergonha. Houve até quem admitisse o arrependimento por ter andado naquela manada de alucinados, ditos nacionalistas que colaboraram inclusive para a entrega do pré-sal, para a venda de terras brasileiras a estrangeiros, para o corte de programas sociais que colocaram milhares de pessoas na rota da fome.

Envergonhados, alguns destes brasileiros estão comprando camisas azuis da seleção para torcer pelo Brasil na Copa da Rússia. Outros vão torcer até para a Argentina.  De modo inédito, o brasileiro começa a se desvencilhar do maior evento futebolístico, que é bilionário, onde desfilam jogadores de salários astronômicos, quando ele, o cidadão brasileiro, vive uma terrível crise econômica.

Não é doloroso e nem apátrida abdicar da torcida e permanecer indiferente à seleção brasileira. Aquele a quem a TV Globo chama de “a grande esperança do Brasil na Copa do Mundo”, devia R$ 200 milhões à Receita Federal e só pagou R$ 8 milhões. Se você amigo, deve R$ 200 a uma financeira de cartão de crédito e só tiver R$ 8 para pagar, irá contrair uma dívida e pode até ficar com o nome sujo na praça.

Copa? Que copa?

Deixe um Comentário!