Blog do Mailson Ramos

Da suruba ao puteiro: O golpe contra Dilma e a prisão de Lula

Da suruba ao puteiro: O golpe contra Dilma e a prisão de Lula

Da suruba ao puteiro: O golpe contra Dilma e a prisão de Lula – Foto: Patricia Monteiro/Bloomberg

Quando Eduardo Cunha deu vazão à sanha golpista, autorizando o processo de impeachment de Dilma Rousseff, sem crime de responsabilidade, colocava o país numa suruba, uma suruba institucional como disse o profeta Jucá; com a prisão de Lula, chegamos ao puteiro.

Destituir Dilma era a ação imediata dos golpistas em 2016. Mas o produto final daquela empreitada ensandecida era a prisão do Lula e a impossibilidade da esquerda de disputar as eleições de 2018. Porque não bastava somente defenestrar o governo petista; era preciso impedir que outro progressista voltasse a governar, sobretudo se este progressista fosse o Lula.

Em 2016, a ruptura democrática foi profunda e os seus efeitos são vistos hoje. Recentemente o ministro Marco Aurélio Mello estranhou as pressões de Sérgio Moro sobre as decisões da Suprema Corte. “Tempos estranhos em que um juiz de primeiro grau faz apelos a ministros do STF”, disse ele. Ontem (11), durante sessão que julgava possibilidade de habeas corpus para Antônio Palocci, Gilmar Mendes fez um aparte e questionou sobre Moro: “Esse sujeito fala com Deus?”.

O STF, que não conseguiu barrar um processo de impeachment viciado, colhe neste momento as mazelas de sua negligência. Na terra do falso moralismo, a imagem de sua presidente foi parar num puteiro, exposta em agradecimento por ela ter votado contra um habeas corpus e manobrado para não discutir a presunção de inocência e a prisão após condenação em segunda instância. De país desarrumado, governado por ladrões que sobem e descem carregando malas (suruba), passamos a país que envergonha o mundo com a prisão de um ex-presidente decretada arbitrariamente sob os narizes dos ministros da máxima corte de justiça (suruba).

O Brasil vive a frívola sensação de que todos os corruptos serão presos. Mas só serão presos os petistas. Ontem (11), em mais um malabarismo judicial, o STJ blindou Geraldo Alckmin (PSDB) e o livrou das garras da Lava Jato (de quem suponho que ele não tenha medo). Estou falando é de uma gente que range os dentes quando fala em petistas e que meteu o rabo entre as pernas quando Temer foi denunciado duas vezes pela PGR e salvo pelos deputados gastando bilhões dos cofres públicos.

De gente que tem bandido de estimação. E que baixa os olhos e cala a boca quando se fala em Aécio Neves e companhia. É tudo falso moralismo. Hipocrisia. Ética caolha. No fundo, o sentimento dos patos amarelos é destruir a esquerda. Deixar a suruba rolar solta como foi de 1995 até 2001, quando governou Fernando Henrique Cardoso. Aquele que quebrou o país três vezes e quase vendeu o Brasil aos EUA.

Os brasileiros devem lutar é contra a promiscuidade que invadiu o judiciário. Contra a corrupção generalizada. Contra um governo de corruptos que destrói direitos. Contra surubas institucionais e moralistas de puteiro.

Deixe um Comentário!