Política

Globo pagou propina de US$ 30 milhões por Copa América

Globo pagou propina de US$ 30 milhões por Copa AméricaGlobo pagou propina de US$ 30 milhões por Copa América

Globo pagou propina de US$ 30 milhões por Copa América

Somente agora apareceu um contrato assinado por Nicolás Leoz Almirón e seu secretário-geral, o argentino Eduardo Deluca, pela Confederação, e pelo diretor executivo da Globo Comunicações e Participações S.A., Marcelo Gonçalves de Campos Pinto.

Nossa Política traduz do site argentino Infobae a informação de que apareceu um contrato secreto entre a Conmebol e a Globo, que trata de direitos de transmissão da Copa América:


Aparece un contrato oculto entre Conmebol y la poderosa O Globo de USD 30 millones por la Copa América

Quando parecia que todos os negócios claros e sombrios da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) já eram conhecidos, aparece agora de US$ 30 milhões entre a entidade de futebol e o poderoso canal de TV brasileiro Globo para os direitos da Copa América que poderia mudar o cenário comercial e televisivo para a próxima edição deste torneio que será realizado no Brasil em 2019.

O documento foi assinado em 10 de julho de 2010 pelo então presidente da Conmebol, o paraguaio Nicolás Leoz Almirón e seu secretário-geral, o argentino Eduardo Deluca, pela Confederação, e pelo diretor executivo da Globo Comunicações e Participações S.A., Marcelo Gonçalves de Campos Pinto.

Globo pagou propina de US$ 30 milhões por Copa América

A Globo foi acusada pelo empresário argentino Alejandro Burzaco durante o julgamento dos ex-líderes da Conmebol, José María Marín, Juan Angel Napout e Manuel Burga em um tribunal em Nova York, Estados Unidos, pelo caso FIFAGate.

Âmbito do contrato

De acordo com a cláusula 1 do contrato, o “objeto”, a Conmebol, detentora mundial de todos os direitos comerciais e licenças relacionadas à Copa América, através deste contrato cede exclusivamente à Cessionária e para sua exploração comercial na Território brasileiro, os seguintes direitos em relação à Copa América.

Toda a transmissão, exibição, retransmissão, distribuição e reprodução de imagens e som, sem limites de qualquer passe, ao vivo e / ou atrasados e / ou extratos por qualquer sistema de distribuição criando ou criado no futuro de todas as partes da Copa América, incluindo treinamentos e eventos relacionados exclusivamente para o território do Brasil.

Os números definidos

Na cláusula 3, “Condições de preço e pagamento”, o contrato declara: em consideração a todos os direitos concedidos sob este contrato, o Cessionário pagará à Conmebol o valor total de US$ 30.000.000.

Este montante será pago da seguinte forma: US $ 5.000.000 em 15 de dezembro de 2010; US $ 9.000.000 trinta dias antes do início da 44ª edição da Copa América, que será disputada em princípio em 2015 (realizada no Chile); US $ 5.000.000 em 15 de dezembro de 2015; e US $ 11.000.000 trinta dias antes de iniciar a 45ª edição da Copa América, que será disputada no início de 2019.

Ou seja, a Conmebol deve cobrar 11 milhões de dólares da rede O Globo, teoricamente, no próximo ano, antes do início da Copa América Brasil 2019.

Validade do contrato

Este contrato é irrevogável e irrecuperável e será válido desde a assinatura (10/07/2010) e até o final da segunda edição da Copa América incluída neste contrato, com direito de preferência para o cessionário igualar e / ou ou melhorar qualquer oferta de um terceiro no final do prazo para a renovação deste contrato.

O documento também estabelece que cada parte se compromete a indenizar e isentar a outra parte em relação a qualquer dano, custo, perda, responsabilidade, despesa (incluindo, sem limitação, honorários advocatícios, peritos e despesas de justiça) decorrentes de qualquer reivindicação judicial. e / ou extrajudiciais originados e / ou vinculados a qualquer violação de cada parte das obrigações assumidas neste contrato e / ou falsidade ou imprecisão das declarações feitas por cada parte deste contrato.

Como em todos os contratos anteriores, e aparentemente também nos atuais, a Conmebol e o O Globo concordaram em manter o conteúdo deste contrato confidencial mesmo após sua conclusão ou término.


Deixe um Comentário!