Política

Bolsonaro tem mais denúncias na Câmara do que projetos aprovados

Bolsonaro tem mais denúncias na Câmara do que projetos aprovados

Bolsonaro tem mais denúncias na Câmara do que projetos aprovados

Jair Bolsonaro foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por racismo. Este foi mais um dos vários episódios em que ele afrontou a ética e desmereceu o cargo que lhe foi confiado pelo povo do Rio de Janeiro.

De acordo com levantamento feito pelo Estadão no ano passado, em quase três décadas de mandatos como parlamentar, Jair Bolsonaro apresentou 171 projetos de lei, de lei complementar, de decreto de legislativo e propostas de emenda à Constituição (PECs), em sua maioria para a área de segurança e para os militares.

Entretanto, destes 171 projetos apresentados, apenas dois foram aprovados:

  • Economia – Projeto de Lei 2.514/1996

Estende o benefício do IPI incidente sobre bens de informática e automação produzidos nas regiões de influência da Sudam e da região Centro-Oeste até 2003.

  • Saúde – Projeto de Lei 4.639/2016

Autoriza o uso da fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna.

Para explicar o fato de não ter projetos aprovados, Bolsonaro afirmou que “tão importante quanto você fazer um gol, é não tomar um gol. Eu trabalho muitas vezes para que certos projetos não sejam aprovados”, disse. Assim, “tão importante quanto apresentar propostas, é rejeitá-las”.

Se por um lado o deputado tem poucos projetos aprovados, por outro, no Conselho de Ética, lhe sobram denúncias. De acordo com matéria do Congresso em Foco, a lista de acusações contra o pré-candidato à presidência também é extensa na Corregedoria da Câmara, outra instância que apura a conduta dos parlamentares. O deputado fluminense já foi denunciado, entre outras coisas, por chamar Lula de “homossexual” e Dilma Rousseff de “especialista em assalto e furto”.

Já recebeu seis punições por causa de pronunciamentos agressivos e entrevistas polêmicas. Foram três censuras verbais e duas por escrito. Em todos os casos, escapou da abertura de processo de cassação do mandato. Em 2000, chegou a dizer que o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) deveria ter sido fuzilado durante a ditadura.

Em agosto de 2017, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve, por unanimidade, a condenação do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por danos morais contra a também deputada Maria do Rosário (PT-RS).

Em dezembro de 2014, Bolsonaro falou publicamente a respeito da possibilidade de estuprar a parlamentar petista, sua rival política, em três ocasiões diferentes.

Ontem (13), a PGR denunciou o deputado fluminense ao STF por racismo. Durante palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril do ano passado, em pouco mais de uma hora de discurso, Jair Bolsonaro usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais. Na denúncia, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, avalia a conduta de Jair Bolsonaro como ilícita, inaceitável e severamente reprovável.

1 Comentário

  • O grande problema é que a maioria dos projetos dele visam apenas o interesse do militares, e quase nada o interesse do povo em geral. Assim, fica difícil.

Deixe um Comentário!