Notícias

“Bolsonaro não representa o Exército”, diz general

“Bolsonaro não representa o Exército” diz general

“Bolsonaro não representa o Exército” diz general

O general Edson Leal Pujol, comandante militar do Sul, também minimizou declaração feita pelo comandante do Exército antes de julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF.

Do Zero Hora:


Após participar de cerimônia na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (17), o general Edson Leal Pujol, comandante Militar do Sul, avaliou que o Brasil não deseja governos militares. Segundo ele, a população acredita em valores associados às Forças Armadas, mas não quer que elas comandem o país.

— Uma parcela das pessoas tem se manifestado, por diversos meios, dizendo que confia nas instituições militares. Mas não que quer que o país se transforme em um militarismo. Vivemos um período de turbulência, a população enxerga nas instituições militares valores éticos e morais. Não vejo que estejam buscando o militarismo para o Brasil — avaliou.

O comandante também disse não haver riscos de que o país passe agora por um processo semelhante ao de 1964 – quando começou o regime militar – porque, segundo ele, não há a polarização mundial percebida à época.

— Se nós analisarmos historicamente, os períodos são distintos, até mesmo na área internacional. O mundo vivia um cenário bipolar, um movimento internacional buscando expandir a doutrina socialista e comunista em muitos países. Hoje vivemos muito mais uma crise interna, não por questões ideológicas — disse.

O general também minimizou as afirmações feitas pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, que se manifestou, na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula pelo Supremo Tribunal Federal (STF), apontando que a instituição “compartilha o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade (…), bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

Para Pujol, o entendimento de setores políticos de que a afirmação de Villas Bôas foi uma tentativa de pressão sobre o STF não procede.

— Essa interpretação sobre a manifestação do comandante do Exército é muito diversa. Não foi essa (de pressão) a intenção do comandante do Exército. Nós nos colocamos pelo princípio da legitimidade e da legalidade.

Pujol ainda falou sobre o pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL-RJ) que, para ele, não representa o Exército brasileiro, sendo apenas um militar reformado que “há muito tempo está na vida política”.

— Bolsonaro não representa o Exército (…) muitas das ideias que externa, ele aprendeu na vida militar, mas ele não é um candidato do Exército ou um candidato militar — disse.

Pujol foi um dos mais de cem militares que acompanharam o período do Grande Expediente da sessão da Assembleia desta terça-feira. Por proposta do deputado Bombeiro Bianchini (PR), o ato homenageou o Dia do Exército, celebrado em 19 de abril.


1 Comentário

  • A INTENSÃO FOI BEM CLARA DO COMANDANTE ALEIJADO DO EXERCITO SIM , ELE FAZ PARTE DO GOLPE , É GOLPISTA E TRAIDOR DA PÁTRIA , NÃO SÓ ELE MAS TAMBÉM OS OUTROS QUE SE MANIFESTARAM , SE FOSSEM SOLDADOS DE VERDADE ESTARIAM LUTANDO E CONCLAMANDO O POVO A DEFENDER OS NOSSOS PATRIMÔNIO , A NOSSA VERDADEIRA SOBERANIA , AS TERRAS , OS MINÉRIOS , A PETROBRAS , A EMBRAER , O AQUÍFERO GUARANI , O PRÉ-SAL , O SATÉLITE QUE A DILMA FEZ E FOI DADA AOS AMERICANOS PRATICAMENTE DE GRAÇA , SE VENDEREM O RESTO QUE FALTA , PRA QUE MANTER ESSA MERDA DE FORÇAS ARMADAS , SE ELAS FORAM CRIADAS E SÃO MANTIDAS PRA DEFENDER AS SOBERANIA DAS NAÇÕES , SE NÃO TIVER SOBERANIA , NÃO PRECISA MANTER AS FORÇAS ARMADAS , BASTA TERCEIRIZAR A NOSSA DEFESA A VERDADEIROS SOLDADOS . PRIVATIZAR AS FORÇAS ARMADAS JÁ .

Deixe um Comentário!