Brasil

Nenhuma família sem-terra foi assentada em 2017

Nenhuma família sem-terra foi assentada em 2017

Nenhuma família sem-terra foi assentada em 2017

O governo ilegítimo de Michel Temer bateu um novo recorde: nenhuma família sem-terra foi assentada no Brasil em 2017. O menor número, até então, havia sido 2016, quando 1686 famílias foram assentadas.

De acordo com o UOL, que obteve informações junto ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) o governo de Michel Temer não assentou uma só família sem-terra em 2017 no Brasil.

Desde 1995, quando os dados passam a ser separados anualmente pelo instituto, não era registrado um ano sem famílias assentadas. O menor número havia ocorrido em 2016, quando foram 1.686 famílias. No ano anterior, haviam sido assentadas 26.335 famílias.

O Incra diz que já foram criados 9.374 assentamentos, que são áreas já desapropriadas e destinadas oficialmente para a reforma agrária. Ainda assim há uma grande quantidade de acampamentos, ou seja, áreas ocupadas, mas que não são de posse dos camponeses.

Segundo o Incra, em 2017, não foram assentadas famílias e foram criados apenas 25 novos projetos de assentamentos “com área total de 41.088 hectares e capacidade de assentamento de 1.608 famílias”.

1 Comentário

  • Enquanto o monopolismo midiático, o (in)Judiciário, o (a)Politicísmo egoístico, obtuso, permanecer, continuar dominando “ad-eternum” diuturnamente em seus (des)Informativos senhoriais absolutistas, comandados, dirigidos e manipulados pela mesma infame, ínfima, desprezivel, casta “chorumenta” ou 0,1% dos mais ricos e dominantes, vulgos “casa grande” e todos nós w somos o resto e sem excessão e permitirmos q todos nós 99% ou restantes sejamos e consintamos que os cordéis daquela minoria, mantenham as mesmas e sujas, velhas “rédeas”, absolutistas, controladoras e entreguistas de suas satisfações ambiciosas, há seus “bel prazereres”, interesses imorais, escusos, mesquinhos, escravocratas, de colonização desde tão, às mal fadadas, Capitanias dos portos hereditários, (ou seria dos porcos hereditários?), Feudo burgueses, burlescos e Imperial de longa data, continuarão e se manterão, há qq preço, há qq custos, há ferro e há fogo com suas etéras fajutas, “forças argumentativas”, de seus chicotes sejam pelos medos físicos, psicológicos e retaliatórios circenses, judiciais e midiáticos!

    Estes pseudos, (mas ainda) eternos MANIPULADORES, continuarão e permanecerão (se deixar-mos q continuem) como “eternos” donos dessa maldita “casa grande”, espoliando, usufruindo de seus eternos e sempre ingênuos, obedientes, MANIFESTOCHES como se lhes, aprouverem e como comandantes em guarda e eternos, “donos” de tudo, de todos, únicos e desfrutantes de todas nossas imensas riquezas nas mais diversas “áreas” e nas nais variadas formas, diversos campos sejam eles mental, material, agrário, etéreo, espiritual, fulgás sempte com seus velhos, mas sempre eficazes, funcionais “modus operandis de seus Pão e Circo” modernamente com suas típicas “novelhas” e, ou campeonatos futebolisticos diversionistas “desfocadores” e q apenas lhes servem, cada dia e cada vez mais, para manipular justificar e dominar opiniões, posicionamentos sejam com seus braços armados, trucidando, dizimando inconformadas lideranças em suas causas justas e humanas. Há qq guerreiro q se atrevam ou se tornem “rebeldes”, Urbanos, Indígenas, Quilombolas e Posseiros. Embora, legítimados pelo tempo de ocupações, são por isto mesmo, defenestrados e arrancados a bala, como meras “pragas”, em sangrentos, covardes, imorais e pior, sem qq paridades argumentativa justa destas forças, q armadas r pagas por nossos absurdos impostos e ainda, legitimadas por “leis” mequetrefes senhoriais, momentaneas, pré fabricadas, para simples instrumentalização como moedas de troca do velho rateio de despojos bandidesco, imundo, imoral rateio do, toma lá, dá cá, em insaciáveis e cada vez mais, avassaladores enrriquecimentos ilicitos, incessantes e imorais desde sempre, como se tem visto e se vê, ocorrerem, “há luz do dia” pelas mesmas castas politicas, hereditárias, corruptas e desprezíveis “elites” entreguistas, escravagistas dominantes q se perenizaram peremptoriamente ou “imperatorialmente” de geração em geração e cada vez mais, do pouco, q nos resta, de nossa pseudonação, chamada, Brasil!

    DEUS! DEUS MEU…

    ATÉ QUANDO?

    …MEU DEUS

    ATÉ QUANDO?

Deixe um Comentário!