Notícias

Instituto repudia atitude racista de professor

Instituto repudia atitude racista de professor

Instituto repudia atitude racista de professor

O Instituto Federal de São Paulo (IFSP) divulgou nota repudiando a atitude racista do professor José Guilherme de Almeida que publicou postagem numa rede social dizendo que odiava pretos e pardos.

Do JB:


A publicação racista de um professor do curso de Turismo e Geografia do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) vem repercutindo nas redes sociais. Na publicação do Facebook, José Guilherme de Almeida afirma que “odeia pretos e pardos”. Após a reação negativa ao comentário, o professor apagou a publicação. O instituto publicou nota em repúdio ao racismo.

Almeida estava em viagem para o Nordeste quando fez a postagem. “Alguém consegue comer carne de sol com cuscuz logo cedo lotando o prato por 3 vezes? eles conseguem, todos”” escreveu. “Queria ser muito rico e ter o café no meu quarto sempre, nu e escutando Mozart”, completou.

De acordo com sua página do Lattes, José Guilherme de Almeida é professor e pesquisador na Diretoria de Humanidades, atuando no Ensino Médio e na Licenciatura em Geografia, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Veja na íntegra a nota publicada pelo IFSP em resposta à publicação do professor 

Em relação à publicação, em rede social privada, de servidor do Campus São Paulo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, no último fim de semana, o IFSP informa que teve conhecimento, por meio da mídia, do texto divulgado pelo docente.

O IFSP declara que repudia quaisquer formas de preconceito e discriminação dentro ou fora de seus muros, seja por parte de um servidor ou de outro cidadão. A Instituição se compromete com a construção de uma sociedade plural e de múltipla representatividade. Nesse sentido, vale lembrar que o IFSP mantém grupos de debates, abertos à comunidade interna e externa à Instituição, que abordam tais temas em sua agenda.

Entre esses grupos, citamos o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), o Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (Napne) e o Núcleo de Estudos sobre Gênero e Sexualidade (Nugs). Além das ações citadas, o IFSP mantém permanentemente essas discussões como parte integrante dos currículos dos seus cursos nas suas 36 unidades e nos espaços de sociabilidade da Instituição.

Especificamente no Campus São Paulo, destacam-se os coletivos estudantis Cabeça de Nego e Três Marias, reconhecidos e apoiados pela direção da Instituição. A iniciativa demonstra a autonomia e o protagonismo dos alunos no IFSP no que diz respeito aos debates contemporâneos.

O IFSP informa que já iniciou a apuração dos acontecimentos, reconhecendo a gravidade dos fatos.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo São Paulo, 12 de março de 2018.


Deixe um Comentário!