Política

Lula: “Estou candidato”

Lula: “Estou candidato”

Lula: “Estou candidato”

Em Belo Horizonte (MG), onde lançou oficialmente a sua candidatura à presidência da República, Lula desafiou os golpistas: “Disputem comigo para ver quem ganha e quem tem melhor proposta”.

O ex-presidente Lula terminou a quarta-feira (21) participando de ato emocionante em que lançou a sua candidatura à presidência. “Estou candidato”.

Segundo ele, o desejo dos que o perseguem é anular por completo a possibilidade de que ele seja candidato. Algo similar ao que aconteceu em 1964. “Mas golpe militar é sempre muito ruim aos olhos do mundo”, denuncia.
O “problema” que não estão vendo é que hoje Lula não é só um homem, um ex-presidente, um pré-candidato. Lula são milhões de pessoas. “O Lula incomoda muita gente, dois Lulas incomodam muito mais. Se dois incomodam, uns 60 ou 70 milhões de Lula vão incomodar muito mais!”

As tentativas de desacreditar Lula ou o Partido dos Trabalhadores aos olhos da população não são novidade. “Sempre que acham que nos destruíram, que tentam destruir o PT, nós nos reerguemos”, lembrou, citando a história de resistência e reconstrução que é símbolo desses 38 anos de partido.

“Nunca imaginei na minha vida fazer política. De repente, com vocês, criei um partido”, lembrou. “Imaginem o que é um nordestino, nascido em Garanhuns, sem diploma universitário, desacreditado pela elite brasileira, que tratava de espalhar preconceitos e boatos. Não foram poucas as vezes em que, deitado à noite com a Marisa, eu perguntava: E se a gente não der certo? E se a gente não tiver capacidade de governar? E se a gente for o fracasso que eles dizem que a gente vai ser?”

Não foi. Antes, foi a base para que tirou dezenas de milhares de pessoas da miséria. “O que me motivava era saber que eu não era resultado da minha competência. O que me motivava era saber que eu era resultado do crescimento da consciência política da nossa sociedade.”

“Eu dizia: não posso errar porque, se eu errar, esse povo pobre nunca mais levanta a cabeça para governar este país”, conta, lembrando que, desde sempre, a mídia e a oposição faziam uma torcida incansável pelo seu fracasso. “Tudo o que queriam era dizer que a elite brasileira era democrática porque tinha permitido que um peão de fábrica chegasse à Presidência, mas, coitado, não era letrado, não poderia dar certo. Eu ia passar para a História como um coitadinho.”

O que garantiu que isso não acontecesse foi o olhar sempre atento e o ouvido atencioso para o povo que o impulsionou até onde chegou.

Assim como fizeram e fazem os alunos do Prouni, Lula combateu o preconceito com uma saída inquestionável: sendo o melhor. O resultado, mais que História, virou mudança efetiva e radical na vida das pessoas, fazendo com que terminasse seus oito anos de mandato como o presidente mais popular de todos os tempos, com 83% de aprovação segundo o Ibope.

Com informações da Agência PT de Notícias.

Deixe um Comentário!