Nossa Política

Sem Lula, a crise da democracia se aprofunda

Sem Lula, a crise da democracia se aprofunda
Sem Lula, a crise da democracia se aprofunda – Foto: Sérgio Lima/PODER 360
A possível inelegibilidade do ex-presidente aprofunda a crise de representação no cenário político e lança ainda mais incertezas sobre o pleito deste ano e seus desdobramentos.

Por Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, na Folha:


Inelegibilidade de ex-presidente Lula aprofunda crise democrática

A pesquisa divulgada nesta quarta (31) pelo Datafolha é histórica. Menos por ser a primeira a retratar a opinião pública brasileira após a confirmação da sentença de Lula pelo TRF-4, mais pelo simbolismo de seus resultados. A possível inelegibilidade do ex-presidente aprofunda a crise de representação no cenário político e lança ainda mais incertezas sobre o pleito deste ano e seus desdobramentos.

Em nenhum outro levantamento de intenção de voto para presidente já feito pelo instituto em ano eleitoral observou-se uma taxa tão elevada de brasileiros com a pretensão de votar em branco ou anular o voto. É o que acontece quando se exclui o nome de Lula da disputa.

Mesmo com o petista candidato, o índice já aparece com destaque, o que isoladamente pode refletir a rejeição aos candidatos de um modo geral. Mas, ao excluir seu nome, o percentual cresce mais de dez pontos percentuais e passa a ser a resposta da maior parte dos brasileiros -alcança 32% do total dos eleitores em cenário onde Jair Bolsonaro (PSC) lidera a corrida com 20%.

O fenômeno não é novo -além de presente nas últimas eleições municipais, vinha sendo alertado pelo Datafolha em análises anteriores-, porém encontra-se em patamares nunca antes registrados em período equivalente.

Se somado à taxa de indecisos, o total dos que deixam de escolher um candidato chega a 36% nesse mesmo cenário. A maior taxa de brancos e nulos em pesquisas de primeiro turno para presidente da República foi de 19% em fevereiro de 2014, pós manifestações de 2013, pré-reeleição de Dilma Rousseff, sem Marina Silva como candidata e com Eduardo Campos (PSB) ainda desconhecido pela maioria do eleitorado.

É claro que a pesquisa não permite projeções, especialmente em ambiente tão nebuloso e inédito. É sempre um instantâneo do momento. Em 2014, por exemplo, com a morte de Campos, entrada de Marina e a clivagem social no debate entre Dilma e Aécio (PSDB), o resultado oficial de brancos e nulos não chegou nos dois dígitos.

No entanto, o maior índice de “sem candidato” já registrado nas urnas em primeiro turno das presidenciais foi na reeleição de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 1998, onde alcançou 19%. Para isso contribuiu a existência ainda das cédulas de papel que favoreciam a prática da anulação consciente, então mais frequente do que os erros.

Estudos feitos pelo Datafolha na época, comprovados em eleições posteriores, indicaram que a introdução da urna eletrônica intimidou a prática do tradicional voto nulo de protesto -agora mais concentrada nos votos brancos com tecla própria na urna- e passou a prejudicar a concretização do voto de pequena parte dos menos escolarizados e de menor renda, que revelam mais dificuldade em digitar corretamente na máquina suas intenções para os diversos cargos.

A pesquisa de hoje mostra que esse é justamente o perfil de quem mais intenciona votar em branco e nulo quando Lula não está na disputa. Entre os que têm renda de até dois salários mínimos e o nível fundamental de escolaridade, essa taxa dobra. Entre os habitantes do Nordeste, quase triplica. Entre as mulheres, o crescimento também é expressivo. A depender do poder de convencimento dos candidatos frente a eleitores tão refratários torna-se provável um número recorde de não votos em outubro.

O desconhecimento dos outros candidatos não é o principal motivo para esse comportamento. Tomando-se como referência o cenário mais completo sem a inclusão do ex-presidente, os votos brancos e nulos também crescem dez pontos percentuais mesmo com a presença de figuras de alto recall na população, como os sempre pré-candidatos Marina Silva, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e o apresentador de TV Luciano Huck (sem partido).

Focalizando-se apenas a migração de eleitores de Lula nessa situação, a maior parcela -31% deles- vai para brancos e nulos, 15% passam a votar em Marina Silva, 14% em Ciro Gomes, 8% em Luciano Huck, 7% em Jair Bolsonaro e 6% em Geraldo Alckmin.

A crise democrática fica ainda mais evidente nas simulações de segundo turno. Em duas dentre três hipóteses testadas sem Lula, brancos e nulos disputam a liderança com os dois candidatos finalistas, dentro da margem de erro da pesquisa. Nesses cenários, se a eleição fosse agora, o Brasil poderia eleger um presidente rejeitado por quase 70% da população.

Improvável? Dilma foi reeleita com a maioria dos votos válidos, mas não do total de votos, no segundo turno de 2014. Collor em 1989 também. Ambos não chegaram ao fim de seus mandatos.


Escreva um comentário

Categorias