Notícias

Patriota e Livres mudam os planos após ‘traição’ de Bolsonaro

Patriota e Livres mudam os planos após ‘traição’ de Bolsonaro

Patriota e Livres mudam os planos após ‘traição’ de Bolsonaro

O presidente do Patriota se disse que já não estava suportando a pressão do grupo bolsonarista por espaços na legenda. “Começaram pedindo o controle de cinco Estados. No fim, já estavam com 23 e querendo o Diretório Nacional.”

Do Estado de Minas:


“Perdoa-me por Me Traíres” é o título de uma peça do dramaturgo Nelson Rodrigues, escrita em 1957, mas que poderia servir perfeitamente de epíteto para a situação do presidente do PEN-Patriota, Adilson Barroso, e do presidente interino do Livres, Paulo Gontijo. Mesmo que em diferentes níveis, os dois viram seus projetos políticos serem atropelados pelo casamento consumado (expressão usada pelos próprios envolvidos) entre o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o PSL, de Luciano Bivar (PE).

Barroso é o presidente do PEN-Patriota, que até a semana passada ainda era a legenda escolhida pelo hoje segundo colocado nas pesquisas de intenção de votos, Jair Bolsonaro, para concorrer à Presidência da República. Já o publicitário Gontijo foi alçado à presidência interina do Livres depois que o movimento foi expelido do PSL, onde militavam havia dois anos, por não concordarem com a chegada dele, o Bolsonaro.

Barroso, claramente, não pretende fechar as portas para Bolsonaro. Por isso, quando fala em traição, faz questão de ressaltar que a traição foi da equipe do deputado. “O Bolsonaro foi enganado por um grupo mal-intencionado que está ao redor dele. Esse grupo não quer elegê-lo presidente. O que eles querem é tomar um partido. Fui traído pelo grupo dele”, disse.

O presidente do PEN-Patriota se disse aliviado porque já não estava suportando a pressão do grupo bolsonarista por espaços na legenda. “Começaram pedindo o controle de cinco Estados. No fim, já estavam com 23 e querendo o Diretório Nacional.”

Ainda assim, Barroso sinalizou com a possibilidade de receber Bolsonaro de volta – caso o casamento com o PSL não seja assim tão feliz. “Aqui ainda tem vaga para ele. Mas com a condição de ter o controle político do partido. Aqui, eu digo, ele pode ter a legenda – isso se nenhuma denúncia pegar nele.”

Ou seja, Barroso não acreditou que o casamento do deputado com o PSL possa vingar. “Já tem muito arranhão lá no PSL. Eles (o grupo do Bolsonaro) vão pedir tudo e vai dar briga. Aqui no Patriota nós temos uma unidade grande. Aqui, quando eu falo ‘a’ é ‘a’. Aqui, quando eu falo ‘você será candidato’, todos acompanham. No PSL metade é contra o Bolsonaro, metade é a favor. No Patriota não tem essa questão de maioria, aqui tem unanimidade.”

Barroso prevê que a candidatura Bolsonaro pode cair no colo de outra legenda. “Não sou profeta, sou técnico. E acho que é o que provavelmente vai acontecer”, afirmou.

(…)


Deixe um Comentário!