Notícias

Márcia Tiburi: Por que deixei Kataguiri falando sozinho?

Márcia Tiburi: Por que deixei Kataguiri falando sozinho?

Márcia Tiburi: Por que deixei Kataguiri falando sozinho?

A filósofa Marcia Tiburi escreveu carta aberta explicando o motivo pelo qual abandonou o programa de Juremir Machado, em que deveria debater com Kim Kataguiri.

Do Brasil de Fato:


Discurso fascista deve ser interrompido, diz Tiburi após abandonar programa com MBL

Em carta divulgada nesta quinta-feira (25), a filósofa Márcia Tiburi escreve sobre os motivos que a levou a abandonar um programa na Rádio Guaíba ao descobrir que seria entrevista junto ao dirigente do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, nesta quarta-feira (24).

“Em um dia muito importante para a história brasileira, marcado por mais uma violação explícita da Constituição da República, não me é admissível participar de um programa, que tenderia a se transformar em um grotesco espetáculo no qual duas linguagens que não se conectam seriam expostas em uma espécie de ringue, no qual argumentos perdem sentido diante de um já conhecido discurso pronto (fiz uma reflexão teórica sobre isso em “A Arte de escrever para idiotas”), que conta com vários divulgadores, de pós-adolescentes a conhecidos psicóticos, que investe em produzir confusão a partir de ideias vazias, chavões, estereótipos ideológicos, mistificações, apologia ao autoritarismo e outros recursos retóricos que levam ao vazio do pensamento”, escreve.

Márcia vem sendo uma das principais críticas da situação do país e do julgamento do ex-presidente Lula. “Para que uma democracia seja sustentada é preciso legalidade, lastro jurídico, ética e respeito às diferenças. O golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff ignorou esses preceitos básicos, não há mais democracia no Brasil”, afirmou ela, poucos dias antes do julgamento do ex-presidente.

Confira a carta na íntegra:

Caro Juremir,

Sempre gostei muito de participar do teu programa. Conversar contigo, e com qualquer pessoa que apresente argumentos consistentes. Mais do que um prazer é, para mim, um dever ligado à necessidade de resistir ao pensamento autoritário, superficial e protofascista. Ao meu ver, debates que desvelem divergências teóricas ou ideológicas podem nos ajudar a melhorar nossos olhares sobre o mundo.

Tenho a minha trajetória marcada tanto por uma produção teórica quanto por uma prática de lutar contra o empobrecimento da linguagem, a demonização de pessoas, os discursos vazios, a transformação da informação em mercadoria espetacularizada, os shows de horrores em que se transformaram a grande maioria dos programas nos meios de comunicação de massa. 

Ao longo da minha vida me neguei poucas vezes a participar de debates. Sempre que o fiz, foi por uma questão de coerência. Tenho o direito de não legitimar como interlocutor pessoas que agem com má fé contra a inteligência do povo brasileiro ao mesmo tempo em que exploram a ignorância, o racismo, o sexismo e outros preconceitos introjetados em parcela da população.

Por essa razão, ontem tive de me retirar do teu programa. Confesso que senti medo: medo de que no Brasil, após o golpe midiático-empresarial-judicial, não exista mais espaço para debater ideias.  

Em um dia muito importante para a história brasileira, marcado por mais uma violação explícita da Constituição da República, não me é admissível participar de um programa, que tenderia a se transformar em um grotesco espetáculo no qual duas linguagens que não se conectam seriam expostas em uma espécie de ringue, no qual argumentos perdem sentido diante de um já conhecido discurso pronto (fiz uma reflexão teórica sobre isso em “A Arte de escrever para idiotas”), que conta com vários divulgadores, de pós-adolescentes a conhecidos psicóticos, que investe em produzir confusão a partir de ideias vazias, chavões, estereótipos ideológicos, mistificações, apologia ao autoritarismo e outros recursos retóricos que levam ao vazio do pensamento.          

Por isso, ontem tive que me retirar. Não dependo de votos da audiência, nem sinto prazer em demonstrar a ignorância alheia, por isso não vi sentido em participar do teu programa. Demorei um pouco para entender o que estava acontecendo. Fiquei perplexa, mas após refletir melhor cheguei à conclusão de que a ofensa que senti naquele momento era inevitável.

A uma, porque, ao contrário das demais pessoas, não fui avisada de quem participaria do debate. A duas, por você imaginar que eu desejaria participar de um programa em que o risco de ouvir frases vazias, manifestações preconceituosas e ofensas era enorme. Por fim, e principalmente, meu estômago não permitiria, em um dia no qual assistimos a uma profunda injustiça, ouvir qualquer pessoa que faça disso motivo de piada ou de alegria. Não sou obrigada a ouvir quem acredita que justiça é o que está em cabeças vazias e interessa aos grupos econômicos que, ao longo da história do Brasil, sempre atentaram contra a democracia.    

Tu, a quem tenho muita consideração, não me avisou do meu interlocutor. A tua produtora, que conversou comigo desde a semana passada,  não me avisou. Eu tenho o direito de escolher o debate  do qual quero participar. Entendo que possa ter sido um acaso, que estavas precisando de mais uma debatedor para a performance do programa. Se foi isso, a pressa é inimiga da perfeição. E, se não cheguei a pedir que me avisasse se teria outro participante, também não imaginava que o teu raro programa de rádio, crítico e analítico, com humor bem dosado, mas sempre muito sério, abrisse espaço para representantes do empobrecimento subjetivo do Brasil.

Creio que é importante chamar ao debate e ao diálogo qualquer cidadão que possa contribuir com ideias e reflexões e para isso, não se pode apostar em indivíduos que se notabilizaram por violentar a inteligência e a cultura, sem qualificação alguma, que mistificam a partir de clichês e polarizações sem nenhum fundamento. O discurso que leva ao fascismo precisa ser interrompido. Existem limites intransponíveis, sob pena de, disfarçado de democratização, os meios de comunicação contribuírem ainda mais para destruir o que resta da democracia.

Quando meu livro “Como conversar com um fascista” foi publicado, muitos não perceberam a ironia kirkegaardiana do título. Espero que a tua audiência tenha entendido. O detentor da personalidade autoritária, fechado para o outro e com suas certezas delirantes, chama de diálogo ao que é monólogo. Espero que, sob a tua condução, o programa volte a investir em mais diálogo, que seja capaz de reunir a esquerda e a direita comprometidas com o Estado Democrático de Direito em torno do debate de ideias.


7 Comentários

  • Escrever textão me parece fácil, cara a cara, argumento a argumento parece mais difícil né? Quem realmente sabe o que fala não escolhe adversário! Que democracia é esta que não se permite ouvir o contraditório? É mais fácil dizer por escrito que o adversário tem ideias vazias ou confrontar com as suas? A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras (Aristóteles ) ou se tem coragem ou se tem covardia! Até o medo tem alguma utilidade, mas a covardia não!

  • Parabens Marcia, voce disse tudo nessa carta, o País precisa de gente como voce e de idéias claras com muita sabedoria…parabens mais uma vez Marcia Tiburi.

  • Em alguns casos, a palavra fascista pode ser usada em sentido figurado, indicando uma pessoa excessivamente autoritária, que não tem preocupações com a liberdade dos outros.

    Quem teve uma atitude facista?

  • Muito bem Márcia Tiburi! Essa rádio que te convidou para o papo foi muito sacana contigo isso sim… Tipo ah… a gente não sabia… ele estava passando e aí caiu aqui dentro da rádio… esquecemos de te avisar quem vinha…. Eu hein rádio sacana! Ainda bem que nunca ouvi essa rádio e nem vou ouvir. Pois rádio que coloca microfone na mão de fascistas não vale a luz que entra pela janela… Não se da voz e vez à fascistas.

Deixe um Comentário!