Notícias

Bretas: ‘Justiça precisa ser temida’

Bretas: ‘Justiça precisa ser temida’

Bretas: ‘Justiça precisa ser temida’

O juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no Rio, defendeu que Justiça deve ser temida, é necessário que haja temor.

Assim como o seu colega de Curitiba, Sérgio Moro, o juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato no Rio, adota o discurso do punitivismo, da Justiça que precisa ser temida e não respeitada.

Em entrevista a Miriam Leitão, na GloboNews, Bretas (que é Moro) sustenta o mesmo ideário da turma de Curitiba.


O juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato no Rio, defendeu nesta quinta-feira a manutenção da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância argumentando que a “Justiça precisa ser temida”. O magistrado, titular da 7ª Vara Federal Criminal no estado, expressou preocupação com o impacto que uma reviravolta no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto poderia provocar nas investigações em andamento sobre corrupção.

Ao ser entrevistado pela jornalista Míriam Leitão, na GloboNews, Bretas sustentou que a confirmação de uma sentença em segundo grau é suficiente para que seja definida a culpa de cada réu. Em outubro de 2016, o Supremo decidiu que os juízes poderiam determinar a execução da pena depois da condenação em segunda instância. Há na Corte, no entanto, um movimento para que uma nova votação sobre o tema aconteça, abrindo brecha para o restabelecimento da posição anterior, que previa a detenção apenas após a sentença transitar em julgado. O resultado que alterou a jurisprudência foi apertado: seis votos a cinco.

— Sem dúvida, seria uma derrota muito grande para o combate à corrupção. A Justiça tem que ser temida. É necessário que haja esse temor — afirmou o juiz, acrescentando que 2018 é ano eleitoral. — As pessoas têm que considerar que, se fizerem alguma coisa errada, podem ser condenadas, presas. É preciso que exista esse respeito.

(…)


Deixe um Comentário!