Nossa Política

“A Lava Jato virou quase uma religião”, diz Paulo Pimenta

“A Lava Jato virou quase uma religião”, diz Paulo Pimenta
“A Lava Jato virou quase uma religião”, diz Paulo Pimenta
O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que a bandeira legítima do combate a corrupção tem sido usada como ferramenta de manipulação da sociedade.

No último dia de funcionamento da CPMI da JBS, o relator Carlos Marun (PMDB-MS) recuou do pedido de indiciamento do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot e transformou-o em pedido de investigação.

Também foi retirado o pedido de indiciamento do ex-chefe de gabinete de Janot, o também procurador da República Eduardo Pellela.

Outra alteração foi a retirada do texto da defesa do projeto (PL 7596/2017) – em tramitação na Câmara dos Deputados – que prevê o crime de abuso de autoridade por membros do Ministério Público e outras autoridades.

O relator retirou ainda trecho do sub-relatório apresentado pelo deputado Wadih Damous (PT-RJ), que pedia a investigação das denúncias feitas à CPMI pelo advogado Rodrigo Tacla Duran.

Na oportunidade, o advogado questionou provas usadas pelo Ministério Público para embasar denúncias feitas pela operação Lava Jato e disse que há direcionamento de delações contra determinados alvos. Disse ainda ter recebido a proposta de redução de multa, feita por um advogado que compõe a “panela de Curitiba” que seria amigo do juiz Sérgio Moro, em troca do pagamento de RS 5 milhões.

Para Wadih, ficou claro que alguns deputados membros da CPMI atuaram no colegiado em favor do Ministério Público Federal. “Infelizmente temos deputados que entendem existir uma casta na administração pública e no sistema de Justiça que não pode e não deve ser investigado”.

O deputado lembrou que a CPI se deu a partir de uma “aparente ilegalidade” na condução de investigações por parte da Procuradoria Geral da República, no que diz respeito a delações, procedimentos investigatórios e ações controladas.

“Corretamente se pede o indiciamento de Marcelo Miller. Ele era uma ilha autônoma? Ele agia por conta própria? E mesmo o pedido de investigação do ex-procurador-geral foi questionado como se ele não pudesse ser investigado. A legislação das delações premiadas permite as maiores arbitrariedades. E elas ocorrem como procedimento padrão do Ministério Público. As delações estão sendo obtidas mediante extorsão e coação”, enfatizou o deputado que apresentou projeto para regulamentar o instituto das delações.

O deputado Carlos Marun manteve em seu relatório o pedido de indiciamento de outras quatro pessoas, entre os quais o ex-procurador Marcello Miller e o empresário Joesley Batista.

O relator sustenta que Miller, que fazia parte da equipe de Janot, orientou os donos da JBS antes de deixar o Ministério Público para atuar como advogado da própria JBS no processo de acordo de leniência.

Já os irmãos Joesley e Wesley Batista são acusados de corrupção ativa, uso indevido de informação privilegiada e manipulação de mercado. O relatório pede ainda o indiciamento do executivo Ricardo Saud, da JBS, por corrupção ativa.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que a bandeira legítima do combate a corrupção tem sido usada como ferramenta de manipulação da sociedade para manutenção de privilégios e distorções de alguns.

“Hoje não se pode discutir a lei do teto salarial ou o abuso de autoridade porque isso ‘enfraquece a Lava-Jato’. E isso fica muito claro quando você passa a tratar um criminoso que faz uma delação como ‘senhor delator’ e o indivíduo que cometeu o mesmo crime e não delatou como o ‘bandido’. A Lava-Jato virou quase uma religião, que ao delatar, você se absolve dos seus pecados”, ironizou.

Fonte: PT no Senado

Escreva um comentário