Editorial

Editorial | IstoÉ elege Moro “o brasileiro do ano” de 2017

IstoÉ elege Moro “o brasileiro do ano” de 2017

Editorial | IstoÉ elege Moro “o brasileiro do ano” de 2017

Destaca-se na capa o juiz federal Sérgio Moro e o ministro da Fazenda do governo Temer, Henrique Meirelles; mais ao fundo tem-se ACM Neto e Luciano Huck.

A panfletária IstoÉ, revista que publicou artigo cujo principal teor era a morte de Lula, lançou edição em que apresenta “os brasileiros do ano” de 2017. A expressão está entre aspas porque nem todos os brasileiros ali são dignos de tal honraria.

Destaca-se na capa o juiz federal Sérgio Moro e o ministro da Fazenda do governo Temer, Henrique Meirelles; mais ao fundo tem-se ACM Neto e Luciano Huck. Como um site político, Nossa Política se exime de comentar sobre os outros; mas estes quatro citados a principio passam longe de serem brasileiros do ano.

Sérgio Moro deve estar sendo premiado pelas perseguições que promove e pela destruição da Lava Jato; a construção civil e a indústria naval estão no fundo do poço. Ao punir as empresas e romper os contratos (em vez de só punir os envolvidos na corrupção) a Lava Jato colocou de joelhos milhões de trabalhadores que nada tinham a ver com os processos e suborno e propina ora desvendados em Curitiba.

A Lava Jato foi propulsora do golpe e da ascensão de Michel Temer ao poder; Temer nomeou Henrique Meirelles para capitanear os esforços pelas reformas que nada reformam: retiram direitos apenas. Meirelles apareceu como candidato à presidência em 2018 e procura angariar apoio junto a Temer e Rodrigo Maia. Tudo farinha do mesmo saco. Mas lá está o Meirelles na capa da IstoÉ, possivelmente como o homem que conseguiu um feito inédito: aquecer a economia com um PIB de 0,1%.

Outra figura estampada na capa da IstoÉ é Luciano Huck, aquele apresentador da TV Globo que apareceu nas pesquisas do Estadão com 60% das intenções de votos para 2018 num dia, e no outro dia caiu fora. Huck é um dos responsáveis pela construção de um fundo cívico para eleger deputados em 2018. E pelo que lutarão estes deputados assim que eleitos? Não pense o amigo navegante que é para ampliar o Bolsa Família!

ACM Neto, o prefeito do marketing, das festas e das praças bonitas (em detrimento daquela que é a pior saúde básica do estado da Bahia) também achou o seu lugar ao sol. Nacionalmente esquecido, porque a sua guerra é local, ACM Neto pensa em disputar com o petista Rui Costa o governo do estado. Não aparece nesta capa senão por ser do DEM, filho de uma das mais badaladas oligarquias deste país e ser um prefeito “festeiro”. Como amiguinho do Temer, queria usurpar a obra do Metrô de Salvador construída pelo governo do estado.

Agora, no final deste humilde artigo, Nossa Política sugere a IstoÉ a escolha de brasileiros de verdade que nos encheram de orgulho neste ano que se finda: como a professora Heley de Abreu, que teve 90% do corpo carbonizado enquanto tentava salvar as crianças de incêndio provocado pelo vigilante Damião Soares dos Santos, em creche, na cidade mineira de Janaúba.

Brasileiríssima Heley de Abreu.

Deixe um Comentário!