Mundo

Argentinos protestam e gritam: ‘Isso aqui não é o Brasil’

Argentinos protestam e gritam: ‘Isso aqui não é o Brasil’

Argentinos protestam e gritam: ‘Isso aqui não é o Brasil’

Um dos gritos de guerra dos manifestantes argentinos contra a Reforma da Previdência imposta por Macri é “Isto aqui não é o Brasil!”

O Brasil do governo de Michel Temer virou referência internacional. Uma má referência, no entanto. Um dos gritos de guerra dos manifestantes argentinos contra a Reforma da Previdência imposta por Macri é “Isto aqui não é o Brasil!” Os argentinos saíram às ruas para protestar contra mudanças nas aposentadorias e pensões de funcionários já aposentados e aumento na idade mínima de aposentadoria propostos por um governo eleito. Aqui, Temer tenta impor reformas ainda mais graves sem ao menos ter sido chancelado pelas urnas.

A proposta de Macri revê o cálculo da aposentadoria, o que pode prejudicar 17 milhões de cidadãos argentinos. De acordo com a nova medida, para exemplificar, o próximo reajuste nos vencimentos, programado para março, cai de 12% para 5,7%.

A base do governo havia manobrado para acelerar a votação, que deveria ter sido realizada hoje. Entretanto, a sessão foi suspensa após episódios de violência na capital. Vários manifestantes ficaram feridos, incluindo dois deputados da oposição. Mais de mil membros das forças armadas reprimiram o ato que acontecia desde as 9h na Avenida de Mayo, centro de Buenos Aires. Dentro do Congresso, empurra-empurra e tensão adiaram a votação para a semana que vem.

Leia também:

Povo argentino foi às ruas contra a reforma da Previdência. E o brasileiro?

Contra reforma, argentinos enfrentam até a polícia

A mudança consiste em levar em conta no cálculo um índice de inflação e não a base de arrecadação tributária e a média de aumentos salariais no país, como é feito hoje. A oposição classifica a investida como “um roubo aos aposentados”. O deputado federal e um dos líderes do Partido dos Trabalhadores Socialistas (PTS), Nicolás del Caño, acusa o governo de esconder a intenção da reforma durante sua campanha eleitoral.

Fonte: Brasil 247

Deixe um Comentário!