Heroína de Janaúba, professora é enterrada sob forte comoção

Heroína de Janaúba, professora é enterrada sob forte comoção

Heroína de Janaúba, professora é enterrada sob forte comoção

No cortejo fúnebre Heley Abreu foi aclamada como heroína. As investigações apontam que ela entrou na frente do autor do ataque para tentar salvar os alunos.

Da Folha:


Quando um professor assume uma sala de aula, dá a vida pelos seus alunos. Doralice de Abreu, 65, diz que aprendeu esse ensinamento nos primeiros anos de sacerdócio em Montes Claros, no norte de Minas Gerais, e o repassou às outras professoras da família.

Uma delas era sua sobrinha Heley de Abreu Silva Batista, que morreu na quinta-feira (5), aos 43 anos, após tentar salvar as crianças da creche em que trabalhava de um ataque que, até a noite desta sexta (6), havia deixado nove mortos e ao menos 41 feridos.

A tragédia foi provocada pelo  vigia Damião  Soares dos Santos, 50, que ateou fogo em si mesmo e nos alunos do centro de educação infantil Gente Inocente, em Janaúba (MG), a 554 km de Belo Horizonte.

No cortejo fúnebre desta sexta (6), a professora Heley foi aclamada como heroína. As investigações apontam que ela entrou na frente do autor do ataque para tentar barrá-lo e ajudou a salvar crianças mesmo em chamas.

Heley ficou com 90% do corpo queimado. Teve a morte decretada logo depois, mas o hospital recuou e disse que ela seguia viva. Às 23h, a esperança acabou – para desespero do marido, com quem deixa os três filhos do casal, de 15, 12 e 1 ano e 3 meses.

Números

Nascida na mesma cidade que a tia, Heley mudou-se para Janaúba na adolescência, para acompanhar a mãe, aprovada em concurso da secretaria municipal de Saúde.

Primeiro estudou contabilidade, mas não gostou. Ela se divertia mesmo era ajudando a tia em seu trabalho com crianças, conta Doralice. Infeliz com os números, resolveu fazer uma segunda faculdade – pedagogia, no campus janaubense da Universidade Estadual de Montes Claros.

“Amou tanto que não largou mais”, diz a tia Doralice. Se ela gostava de crianças? “Demais da conta. A vida dela era dar aula”, diz a comadre Elizabete Fernandes, 42. Mas por que gostava tanto? “Essas coisas não tem porque, uai”¦ Ela preparava as festas de todos as crianças, fazia lembrancinhas, ficava até tarde por conta, e gostava.”

Quando soube que seria mãe de novo, há cerca de dois anos, mal acreditou. “Estava numa felicidade total com esse bebê. Parecia que era o primeiro filho”, diz outra amiga. Heley passava dos 40 e já tinha dois filhos crescidos.

Mas na verdade ela deu à luz pela quarta vez: um dos filhos morreu aos 5, afogado, após cair numa piscina de um clube. “Foi ela que deu força e segurou as pontas para o marido e para a mãe”, recorda-se Doralice. Como também segurou quando o pai morreu, do coração, há 12 anos, nas contas da tia.

“Não media esforços por ninguém. Não tinha tempo para ela, só para os outros. Se um filho ficava doente, ela botava no carro e ia embora para o hospital de Montes Claros, sozinha, não importava a hora, não pensava duas vezes”, lembra Doralice.

Era bem-quista também pelos amigos dos meninos, que, ainda vestindo o uniforme do colégio Prêmio, onde estudam Breno, 15, e Lívia, 12, filhos da professora, foram em grupo levar flores ao velório. Frequentava a Igreja de Nossa Senhora da Aparecida, onde dava cursos de batizado e noivado e organizava encontros de casais – seu filho mais velho é coroinha, e ela tem dois primos padres.

Por anos, trabalhou com crianças em escolinhas da cidade, até que em 2016 foi aprovada em concurso da prefeitura e assumiu o cargo na creche Criança Inocente.

“Estava muito contente. Dizia: ‘vou ali trabalhar para os meus anjinhos’. E mandava fotos quando eles estavam mais bonitinhos”, diz Elizabete, também pedagoga e que recebeu às 10h as primeiras notícias, por WhatsApp, de que uma creche pegava fogo. “Fiquei chocada. Só depois de uns 40 minutos percebi que era onde ela trabalhava.”


Deixe um Comentário!