Política

Lava Jato perde prêmio no Canadá

Lava Jato perde prêmio no CanadáLava Jato perde prêmio no Canadá

Lava Jato perde prêmio no Canadá

A força-tarefa da Lava Jato perdeu o Prêmio Allard, promovido pela University of British Columbia, do Canadá. Venceu a jornalista do Azerbaijã, Khadija Ismayilova.

Saiu no Uol:


A força-tarefa do MPF (Ministério Público Federal) na Operação Lava Jato perdeu, na noite desta quinta-feira (28, já madrugada de sexta no Brasil), o prêmio Allard, promovido pela University of British Columbia, do Canadá. A premiação reconhece “esforços no combate à corrupção e na promoção dos direitos humanos”. A equipe ficou com a menção honrosa.

O prêmio foi para a repórter investigativa Khadija Azerbaijão. Ela também ganhou 100 mil dólares canadenses, o equivalente a cerca de R$ 256 mil. Também concorria ao prêmio a ativista de direitos humanos, a egípcia Azza Soliman. Impedidas de deixarem seus países por seus governos, nenhuma das duas pôde participar da cerimônia, em Vancouver, sendo representadas.

Apenas membros da equipe da força-tarefa estiveram presentes na premiação – as passagens foram pagas pela organização do prêmio. O coordenador do grupo, o procurador Deltan Dallagnol, ao agradecer, no palco, a menção honrosa, quis deixar uma mensagem ao público. “Você pode, outros cidadãos podem e nós, juntos, podemos, qual seja a boa causa, encarar injustiças e manter a esperança de criar um futuro melhor e um mundo melhor”.

Antes do anúncio da vencedora do prêmio, a organização do evento exibiu vídeos que mostravam a atuação dos finalistas. Ao citar a Lava Jato, também foi ouvido o juiz Sergio Moro, que comanda os processos na Justiça Federal no Paraná. “Corrupção estava tão espalhada, tão sistemática, que nós tivemos que mandar uma mensagem forte: ‘pare com isso. Não vamos tolerar esse tipo de comportamento'”, disse o magistrado. (…)


2 Comentários

  • MENÇÃO HONROSA, para os MAURICINHOS do MPF do Paraná !!??? Só se for para o DALLAGNOL usar nos comentários da contracapa do seu livreto, onde defende idéias jurídicas esdrúxulas.

  • Mas viajaram ao Canadá para não recebê-lo, com diárias pagas pela união, ou seja, por quem paga impostos à união. Já a agraciada não pode comparecer porque seu país – Azerbaijão – não lhe permite isso. Mais uma para o nosso anedotário.

Deixe um Comentário!