Política

Dallagnol manda recado a Raquel Dodge

Dallagnol manda recado a Raquel Dodge

Dallagnol manda recado a Raquel Dodge

Em evento na cidade de Nova Lima (MG), o procurador Deltan Dallagnol disse que “ninguém pode mandar dizer” o que os investigadores devem fazer.

Saiu em O Tempo:


O procurador e coordenador da força-tarefa da Lava jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, mandou um recado à nova procuradora geral da República, Raquel Dodge. “Ninguém pode mandar dizer o que a gente faz ou deixa de fazer em Curitiba”, afirmou, após palestrar em uma faculdade em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, no começo da noite deste sábado (23). Na última semana, um integrante da equipe de Dodge foi flagrado conversando com a advogada da JBS em um restaurante, afirmando que a PGR deveria “controlar” mais a força-tarefa de Curitiba. Após a revelação da conversa, Sidney Madruga pediu exoneração do cargo.

Deltan Dallagnol destacou que a Constituição assegura aos promotores titulares de ofício a independência funcional e que espera que a nova procuradora respeite isso: “Ninguém pode mandar no que a gente faz”.

Ao admitir o fracasso das dez medidas contra a corrupção no Congresso Nacional, o procurador também anunciou uma nova estratégia para impor às classe política um pacote anticorrupção.
Sem o apoio dos atuais parlamentares, o procurador disse que entidades da sociedade civil estão construindo uma campanha para que só sejam eleitos no ano que vem candidatos que se comprometam com as medidas anticorrupção.

“É preciso colocar no Congresso quem se vincule a um pacote anticorrupção consistente. O objetivo é uma renovação da classe política tendo como pré-requisito o apoio ao pacote”, afirmou Dallagnol.
“Não que seja um critério único, porque a sociedade é plural, tem múltiplas preferências em várias áreas da vida, e essas preferências devem ser representadas. Mas um requisito para que represente essas preferências é o compromisso inabalável com o interesse público”, disse.

Dallagnol criticou a possibilidade de que o Supremo Tribunal Federal (STF) altere o entendimento sobre a prisão em segunda instância. “Se for mudado é um enorme retrocesso. Vai empurrar a prisão de réus poderosos para as calendas gregas”, avaliou.


2 Comentários

  • O comentário corrente no meio judiciário, é de que : metade dos juízes, se consideram Deus; a outra metade, tem certeza. Pelo que vemos os integrantes do MP, adotaram para si essa prerrogativa. O desastre do POWER POINT, não ensinou nada a êsse MAURICINHO.

  • Estranho, não é? Um procurador não se submete à procuradora-geral. Misoginia? Talvez mas é mais que isso. Estamos acostumados à obediência da hierarquia: se tenho um superior, a ele presto contas, me subordino ou até me insubordino, se a lei me autorizar. No MP, porém, isso não acontece: sob o manto da “independência funcional”, criada pela CF de 1988 para garantir que, no exercício de suas funções, os procuradores tenham a liberdade de ação que a lei lhes permite, cada membro do MP se tornou autônomo – soberano assim como uma nação. Para o bem e para o mal, incontrolável. Daí Sepúlveda Pertence lamentar-se “criei um monstro” assim como eu, recorrendo a Sófocles, alerto: nada maior e mais pavoroso do que o homem (e a mulher) investido (a) do poder discricionário.

Deixe um Comentário!