Nossa Política

De almoço em almoço, Temer vai fugindo da Justiça

De almoço em almoço, Temer vai fugindo da Justiça
De almoço em almoço, Temer vai fugindo da Justiça Wolfgang Rattay/ Reuters
Ontem (15), Michel Temer recebeu diversos apoiadores para almoçar, dentre eles, o deputado tucano Paulo Abi-Ackel, autor do relatório a favor de Temer.

Sábado foi mais um dia de manobras para Michel Temer. Ele recebeu para um almoço os ministros da Educação, Mendonça Filho, do Democratas, e o da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, do PSDB. E a pedido do próprio Temer, foi chamado o também deputado tucano Paulo Abi-Ackel. Foi dele o relatório a favor de Temer que foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Abi-Ackel (PSDB-MG) foi o apoiador de Michel Temer na comissão que recebeu o maior valor em emendas parlamentares: 5,1 milhões de reais. Em seu relatório, Abi-Ackel escreveu que “peca a denúncia por omissão. Não há nela demonstração alguma do vínculo pessoal do presidente da República com a oferta e o recebimento de valores consumados entre Joesley Batista e Rodrigo Rocha Loures, e qualquer afirmativa em contrário, na ausência de elementos de convicção, situam-se no universo das suposições”.

No almoço deste sábado, Temer repetiu o discurso de jogar para o colo da oposição a responsabilidade de colocar pelo menos 342 deputados em plenário para que a denúncia possa ser votada.

Auxiliares diretos do presidente dizem que Temer está seguro de que a Câmara não vai autorizar que o Supremo Tribunal Federal abra a ação penal contra ele. E a expressão que usaram para falar da expectativa do presidente sobre a votação ocorrer logo na volta do recesso é que Temer não está ansioso para que seja exatamente no dia 2 de agosto.

Com informações de agências.

Escreva um comentário