Brasil

Peroba de Ouro: Skaf diz que a Fiesp não fala sobre política

Peroba de Ouro: Skaf diz que a Fiesp não fala sobre política

Peroba de Ouro: Skaf diz que a Fiesp não fala sobre política – Foto: Marcelo Camargo/ ABr

Nossa Política concede a Paulo Skaf o Prêmio Peroba de Ouro. Porque ele não considera plausível que a Fiesp se pronuncie sobre a renúncia de Temer.

De acordo com a matéria do Estadão, de 14 de dezembro de 2015, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) anunciou o apoio  formal ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff que tramita na Câmara dos Deputados. Uma medida inédita.

Mas não foi apenas apoio formal.

O Valor noticiou em 17 de março de 2016 que a Fiesp ofereceu um almoço nesta quinta-feira a manifestantes pró-impeachment que pernoitaram na avenida Paulista. No cardápio estão filé mignon, massa, salada, torta, purê e arroz. A assessoria de imprensa da Fiesp afirmou que o almoço é para lideranças dos grupos pró-impeachment e disse que a entidade virou a “casa do impeachment de Dilma”.

A coisa, entretanto, não ficou apenas no filé mignon.

A própria Fiesp reproduziria em seu site oficial entrevista de Paulo Skaf  à reacionária rádio Jovem Pan onde diria o seguinte: “Não se trata de golpe como alguns dizem. Mas a situação está chegando em um ponto em que ou esses processos ganham a velocidade que vai ao encontro dos interesses da Nação ou a senhora presidente da República apresenta uma carta de renúncia”.

Hoje, com a deterioração do governo de Michel Temer, que recebeu total apoio da Fiesp, Paulo Skaf disse, no Estadão, que “não cabe à Fiesp falar sobre renúncia de presidente”. Ele ainda definiu que “a Fiesp se refere a economia. Cabe à Fiesp discutir economia, não política. São situações incomparáveis”.

Paulo Skaf é investigado na Lava Jato por ter recebido R$ 6 milhões de propina da Odebrecht. E quem pediu a propina para ele, segundo Marcelo Odebrecht, foi Michel Temer.

Deixe um Comentário!