Notícias

Na surdina, Doria quer vender o Estádio do Pacaembu

Na surdina, Doria quer vender o Estádio do Pacaembu

Na surdina, Doria quer vender o Estádio do Pacaembu

O prefeito João Doria (PSDB) enviou um Projeto de Lei para a Câmara Municipal que autoriza a privatização do estádio do Pacaembu e estruturas adjacentes.

Do PCO:


No início da semana, o prefeito de São Paulo João Doria Jr. (PSDB) enviou um Projeto de Lei para a Câmara Municipal que autoriza a privatização do estádio do Pacaembu e estruturas adjacentes. No estádio, palco histórico do futebol nacional, também fica o Museu do Futebol.

A medida ganhou pouco espaço na imprensa golpista, mas dá seguimento ao plano do prefeito tucano de destruir todo o patrimônio público da maior cidade do país, colocando essa e outras estruturas à serviço do lucro de grandes grupos capitalistas.

Um edital já foi aberto pela Prefeitura para receber propostas de empresas interessadas em explorar o espaço. O prefeito playboy pretende ceder a área à especulação privada por pelo menos dez anos. O prefeito que representa uma escória social não tem nenhuma preocupação com a cidade de São Paulo, sua população e sua história.

Doria mandou passar o trator por cima das pessoas na “Cracolândia” e agora vai entregar de bandeja para algum especulador a maior símbolo da história do futebol na cidade de São Paulo.

O estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, conhecido como Pacaembu, e o complexo esportivo que o acompanha, foram inaugurados em 1940. Naquele ano, sob a ditadura do Estado Novo, o próprio Getúlio Vargas compareceu a inauguração do estádio, que fica localizado na praça Charles Miller, no final da Avenida Pacaembu, no bairro do Pacaembu, zona central da cidade.

Quando inaugurado, o Pacaembu tinha capacidade para 70 mil espectadores e era considerado o mais moderno estádio da América do Sul.

Além do campo de futebol, parte mais conhecida, o local também abriga o Complexo Esportivo do Pacaembu, aberto gratuitamente aos cidadãos, e contém estruturas para atividades físicas variadas. Fica também o Museu do Futebol, construído, literalmente, em baixo das arquibancadas do estádio.

O Sport Club Corinthians Paulista foi a equipe que mais atuou no local, tendo disputado 1690 jogos. No entanto, após ter construído o seu próprio estádio, a Arena Corinthians, em 2014, o clube alvinegro reduziu drasticamente os jogos que manda no Pacaembu. Mesmo assim, muitos títulos foram comemorados pela torcida nas arquibancadas do estádio ou no famoso “Tobogã”, parte de traz da arquibancada que foi construída depois.

O Pacaembu foi um dos principais estádios da Copa do Mundo de 1950, disputada no Brasil. Além disso, foi a principal instalação esportiva dos Jogos Pan-Americanos de 1967, disputados na cidade de São Paulo.

A cidade de São Paulo e os trabalhadores não podem aceitar o prefeito Doria (PSDB) que não respeita o patrimônio do povo, sua cultura e sua história. O Pacaembu é um palco do espetáculo do futebol para a arquibancada dos trabalhadores e deve ser, então, defendido.


1 Comentário

  • Há menos de 1 ano, meus filhos estiveram em Sampa. Voltaram de lá encantados com o Pacaembu e com o Museu do Futebol. Mas um sr. Fulano quer vender: “não cabe ao governo ter bens”, que foram pagos com os impostos do povo (sem empresários, que sonegam ou descontam nos preços). Vendem a preço de Brasil em crise, e o montante vai para pagamento da dívida e financiamento de campanhas.

Deixe um Comentário!