Brasil

Há um ano, Temer enviou Rocha Loures para falar com Dallagnol

Há um ano, Temer enviou Rocha Loures para falar com Dallagnol

Há um ano, Temer enviou Rocha Loures para falar com Dallagnol

Antes da votação no senado que selaria o afastamento de Dilma, o interino Michel Temer enviou um emissário para falar com Dallagnol e Pozzobon.

Nossa Política reproduz matéria aqui publicada em 25 de maio de 2016, quando Michel Temer, ainda interino, enviou um emissário para falar com os procuradores da Lava Jato Deltann Dallagnol e Roberson Pozzobon. Rocha Loures, além de emissário, é também o homem da mala de Temer.


Um emissário do presidente interino Michel Temer (PMDB) e representantes da força-tarefa da Operação Lava Jato encontraram-se na véspera da sessão do Senado que selou o afastamento da petista Dilma Rousseff.

O encontro tratou de uma espécie de “acordo de procedimento” que não colocasse em risco as investigações.

A conversa foi entre o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), um dos assessores mais próximos de Temer, e os procuradores Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, e Roberson Pozzobon.

O diálogo, de quase duas horas de duração, ocorreu após um evento organizado pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) em Brasília.

Anteriormente, os procuradores haviam recusado um encontro com o próprio Temer, articulado pelo ex-presidente da ANPR Alexandre Camanho, que é homem de confiança do peemedebista.

Temer, que mostrava preocupação com a disseminação da ideia de que seu governo enterraria a Lava Jato devido ao grande número de peemedebistas investigados, aprovou a sugestão.

A preocupação cresceu com a sondagem feita ao advogado Antonio Claudio Mariz de Oliveira, um crítico da Lava Jato, para ocupar o Ministério da Justiça. A nomeação de Mariz fracassou após ele dar uma entrevista à Folha atacando a operação.

O encontro com Temer, porém, foi rejeitado pelos procuradores, que rechaçaram uma possível conotação política na proposta. Eles também mostraram receio de que o ato fosse interpretado como apoio ao impeachment.

Apesar disso, na conversa entre Loures e os procuradores, foi acertada a manutenção no cargo do superintendente da Polícia Federal no Paraná, Rosalvo Franco, responsável pela Lava Jato.

Loures ouviu dos investigadores que a permanência de Franco seria sinal importante e prometeu consultar Temer.

“Eu disse para os procuradores que se o conforto era dar essa garantia, iria levar o pedido ao presidente”, relatou o ex-deputado à Folha.

Na mesma noite, o assessor levou o pleito a Temer, que aceitou o pedido.

Investigação

O PMDB, partido do presidente interino, é uma das siglas com o maior número de investigados no esquema de corrupção na Petrobras. Na segunda (23), o ministro do Planejamento Romero Jucá (RR) se licenciou após a Folha revelar uma gravação em que ele sugeria um pacto para colocar fim à Lava Jato.

Na semana passada, a PGR (Procuradoria Geral da República) pediu ao STF (Superior Tribunal Eleitoral) a inclusão de Jucá, do presidente do Senado Renan Calheiros (AL), e dos senadores Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA) em um inquérito que apura propinas na construção da Usina de Belo Monte, no Pará, por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro.

Procurada, a força-tarefa da Lava Jato confirmou a conversa dos procuradores com Loures, mas disse apenas que o assessor de Temer manifestou apoio à operação.

O superintendente da PF Rosalvo Franco e procurador Alexandre Camanho não quiseram se manifestar.


Deixe um Comentário!