Brasil

Ministro da Justiça: “Crise é econômica, não política”

Ministro da Justiça: “Crise é econômica, não política”

Ministro da Justiça: “Crise é econômica, não política” – Foto: Beto Barata/PR

Para Torquato Jardim, novo ocupante da pasta da Justiça, “a crise não é política – a mídia transformou em crise política –, mas econômica”.

O novo ocupante do Ministério da Justiça, Torquato Jardim, deu entrevista à Folha em que disse que a crise não é política, e sim econômica:


O sr. assume o Ministério da Justiça no momento de maior tensão na relação entre Michel Temer e a PGR. Como pretende atuar?

Torquato Jardim – Primeiro eu vou ouvir o presidente, saber a avaliação que ele faz desse quadro e descobrir qual será o papel do ministro da Justiça. De minha parte, sempre tive uma relação muito boa com a Procuradoria-Geral da República, um diálogo muito franco, já no Ministério da Transparência. Tenho amigos, ex-alunos e ex-professores lá. O diálogo é sempre o melhor caminho.

O sr. pretende mexer no comando da Polícia Federal?

Eu vou avaliar. Vou ouvir a recomendação do presidente, de outras personalidades que conhecem o assunto, fazer o meu próprio juízo de valor e decidir. Não vou me precipitar nem antecipar nada.

Que avaliação o sr. faz hoje do trabalho da PF?

Eu não tenho nenhuma avaliação.

Como o sr. recebe as críticas de entidades, como a associação de delegados da PF, à sua nomeação?

Não li nada, não sei.

Divulgaram nota dizendo receber as notícias de troca no ministério com preocupação.

Estou em Maceió, vim com o presidente vistoriar a área de enchentes. Não li nada. Preciso conhecer as notas para poder falar.

O sr. foi nomeado para melhorar a interlocução do governo com os tribunais superiores?

Historicamente o Ministério da Justiça sempre foi o canal de comunicação do Executivo com o Judiciário. De modo que esse papel dentre todos os que tenho que desempenhar é o que menos me preocupa. Tenho 40 anos de experiência, advoguei em todos os tribunais. Fui assessor do STF, ministro do TSE. Eu conheço a lógica da magistratura.

Mesmo em meio à essa grave crise política?

O que interessa, em primeiro lugar, é a economia. A crise não é política –a mídia transformou em crise política–, mas econômica.

Em segundo lugar, a parceria do Executivo com o Congresso está intocada. Serão votadas todas as reformas, trabalhista, da Previdência, o financiamento das dívidas dos municípios.

Isso passando, a agenda econômica avança. A questão é econômica e essa é uma área que está muito bem conduzida.

(…)


Deixe um Comentário!