Política

Golpistas reivindicam o Metrô de Salvador

Golpistas reivindicam para si o Metrô de Salvador

Golpistas reivindicam para si o Metrô de Salvador – Foto: Reprodução

Antônio Imbassahy, Bruno Araújo e ACM Neto visitaram obras sem convidar quem realmente as realiza, o governador da Bahia, Rui Costa (PT).

No que dependesse do governo golpista, as obras do metrô de Salvador estariam paradas. Aliás, não podemos nos esquecer de que o prefeito João Henrique Carneiro, então filiado ao PMDB não conseguiu dar prosseguimento às obras durante o seu mandato.

ACM Neto, que se julga onipotente, também não conseguiu administrar as obras e cedeu-a ao governo do Estado. Só então as obras começaram a andar. Com investimentos do governo de Dilma Rousseff.

Surpreendente é que hoje, o ministro das Cidades, golpista inveterado, Bruno Araújo (PSDB) foi recebido por ACM Neto para visitar as obras do metrô.

Como se ACM Neto, o anfitrião, apresentasse uma obra de sua autoria e não do governo do Estado. Mais desfaçatez ainda teve Antônio Imbassahy, que também visitou as obras; o ministro-chefe da Secretaria de Governo teve a sua gestão manchada por fraudes de licitação no consorcio do metrô de salvador (Metrosal), quando prefeito entre os anos de 1997-2004.

Saiu na Tribuna da Bahia:


Ao lado do prefeito ACM Neto (DEM), o ministro das Cidades, Bruno Araújo, visitou ontem o sistema metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, e falou com a imprensa sobre os investimentos do governo federal em parceria com o governo do estado, na capital baiana. O empreendimento tem investimento estimado em R$ 3,6 bilhões. “O governo federal tem participação fundamental nesses projetos”, disse, em referência ao metrô, que esteve no centro da polêmica da semana.

Surgiu nos bastidores a informação de que o Palácio do Planalto irá reivindicar parte do crédito de grandes obras realizadas pelo governo do Estado e que contam com recursos federais. O fato teria causado estresse ao governador Rui Costa (PT), que não prestigiou a visita do ministro alegando compromissos no interior. “Eu pessoalmente liguei para o governador ontem convidando, mas ele me informou que tinha um compromisso no interior. Todos nós temos respeito por quem foi democraticamente eleito”, assinalou Araújo, acrescentando que o presidente Michel Temer irá participar “das próximas inaugurações do metrô como mandatário da nação  e quem ajuda a viabilizar recursos”.

Segundo o ministro, foram disponibilizados, por meio do BNDES, R$ 2,014 bilhões para o financiamento do metrô, sendo que já foi desembolsado R$ 1,8 bilhão.

A implantação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas conta com investimento do governo federal, por meio do Ministério das Cidades, do governo estadual e da prefeitura de Salvador, além da iniciativa privada. A concessionária CCR Metrô Bahia é responsável pela construção e operação do sistema. O projeto está dividido em duas linhas. A linha 1 – trecho Lapa/Pirajá, com 12 km de extensão e oito estações, está em funcionamento e oferece aos usuários o bilhete único de integração. Foram investidos cerca de R$ 750 milhões.

Já a linha 2, Acesso Norte/Aeroporto, tem recursos de R$ 2,9 bilhões, conta com 21 km de extensão e 12 estações e foi dividida em três etapas. O trecho Acesso Norte /Rodoviária segue em operação; o trecho Rodoviária/Pituaçu está previsto para ser entregue no final de abril, e o terceiro, Pituaçu/Aeroporto, deve ser finalizado em dezembro de 2017. “Mobilidade significa o trabalhador poder se deslocar com mais rapidez e eficiência até o trabalho, e assim ter mais tempo para ficar com a família”, concluiu o ministro.

Solla cobra de Imbassahy explicações

No dia em que o ministro da Secretaria do Governo, Antônio Imbassahy (PSDB), fez uma visita às obras do metrô de Salvador, o deputado federal Jorge Solla (PT-BA) cobrou no plenário da Câmara explicações quanto aos bilhetes apreendidos pela Polícia Federal na mesa do executivo Saulo Tadeu Vasconcelos, da Camargo Corrêa, em que há detalhes da estratégia montada pelos membros do Consórcio Metrosal para fraudar a licitação do Metrô de Salvador, durante a gestão Imbassahy.

As provas constam na denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra sete executivos do consórcio, que corre em sigilo na Justiça Federal. No documento, os procuradores Vladimir Aras, Andréa Leão e André Luiz Neves constatam que o caderno de anotações “não deixa dúvidas quanto à utilização de expedientes espúrios” para a fraude e cita reuniões e acertos com agentes públicos.


Deixe um Comentário!