Notícias

Moreira Franco, o ‘Angorá’, ganha status de ministro

Moreira Franco, o ‘Angorá’, ganha status de ministro

Moreira Franco, o ‘Angorá’, ganha status de ministro – Foto: ABr

Wellington Moreira Franco ganhou foro privilegiado ao se tornar ministro da Secretaria-Geral da Presidência do governo Temer.

Saiu no El País:


O presidente Michel Temer promoveu um dos homens-fortes de seu Governo nesta quinta-feira:  Wellington Moreira Franco, atual secretário-executivo do Programa de Parceria de Investimentos, será o novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, que volta a ter status de ministério com área de influência ampliada. Com o novo cargo, Moreira Franco, citado dezenas de vezes em ao menos uma das agora oficiais delações dos executivos da empreiteira Odebrecht na Operação Lava Jato, passa a ter foro privilegiado: só pode ser eventualmente julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

Além do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), onde é espécie de czar das privatizações e coordena projetos no valor de 25 bilhões de reais, Moreira Franco vai acumular a Secretaria de Comunicação e outras atividades administrativas do Planalto. É um forte sinal de apoio para um dos principais aliados de Michel Temer desde a década de 1990 no momento em que avançam no Supremo as colaborações da Odebrecht na Lava Jato. Nesta semana, a presidenta da corte, Cármen Lúcia, homologou as delações da empreiteira, que devem municiar a apresentação de novas denúncias da Procuradoria Geral da República contra políticos. Nesta quinta, a operação ganhou um novo relator no STF, o ministro Edson Fachin, em substituição a Teori Zavascki, morto no mês passado.

(…)


3 Comentários

  • Quero ter o privilegio de ver o Gilmar Mendes impugnar o ministro angorá para ele não ter foro privilegiado e mandar o processo para o moro apesar esse ter 34 citações e o Lula suposta compra do triplex sem prova fora temer fora temer intervençãomilitarjá

  • tomara que o Moro Partidário e perseguidor leia ….O grupo Globo, fingiu não ver as denúncias da Odebrecht contra o Aécio Neves , articulador do golpe de 2016, a Folha de S. Paulo cobrou do ministro Luiz Fachin, em editorial, a punição ao presidente do PSDB; Tendo vitimado nomes do PT e do PMDB, a Lava Jato aproxima-se de líderes tucanos e outras legendas, contratos com empreiteiras no plano estadual clamam por detido exame. O combate à corrupção prossegue, portanto, em frentes novas e antigas —e ao ministro Fachin cumpre levá-lo adiante com celeridade e sem preferências ideológicas

Deixe um Comentário!