Notícias

Aragão sobre Janot: “Extremamente seletivo na Lava Jato”

Aragão sobre Janot: "Extremamente seletivo na Lava Jato"

Aragão sobre Janot: “Extremamente seletivo na Lava Jato” – Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ

O ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão, escrachou o procurador da República, Rodrigo Janot. E afirmou que ele é ‘extremamente seletivo na Lava Jato.

O ex-ministro da Justiça do governo de Dilma Rousseff, Eugênio Aragão, relatou uma briga que teve com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após ter deixado o governo. A discussão se deu depois de conversa sobre que cargo Aragão ocuparia na Procuradoria-Geral – onde entrou em 1987 – depois de deixar o ministério. Aragão teria dito que Janot foi “mesquinho”, “desleal” e “seletivo” na condução da Operação Lava Jato. As informações são do Estado de S. Paulo.

De acordo com a reportagem, Aragão e Janot já foram amigos no passado. Se tratavam como “Arengão” e “Rodrigo”.

Durante troca de emails sobre a função que iria ocupar na volta à PGR, o procurador-geral perguntou se o ex-ministro gostaria de assumir a 6.ª Câmara do Ministério Público Federal (MPF) – a que trata de populações indígenas e comunidades tradicionais. “Não gostaria”, respondeu Aragão. “Teria de lidar com o novo ministro da Justiça (Alexandre de Moraes, de Michel Temer), com quem eu não tenho uma relação de confiança”, explicou. “E o Supremo (Tribunal Federal)?”, contrapôs Janot. “O Supremo a gente conversa”, respondeu Aragão. “Então, tá, Arengão, bota a língua no palato”, escreveu o procurador-geral. “Rodrigo, quer saber, nós somos pessoas muito diferentes, e eu não dou a mínima para cargos”, respondeu Aragão, sem mais retorno.

O ex-ministro da Justiça do governo de Dilma Rousseff, Eugênio Aragão, relatou uma briga que teve com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após ter deixado o governo. A discussão se deu depois de conversa sobre que cargo Aragão ocuparia na Procuradoria-Geral – onde entrou em 1987 – depois de deixar o ministério. Aragão teria dito que Janot foi “mesquinho”, “desleal” e “seletivo” na condução da Operação Lava Jato. As informações são do Estado de S. Paulo.

De acordo com a reportagem, Aragão e Janot já foram amigos no passado. Se tratavam como “Arengão” e “Rodrigo”.

Durante troca de emails sobre a função que iria ocupar na volta à PGR, o procurador-geral perguntou se o ex-ministro gostaria de assumir a 6.ª Câmara do Ministério Público Federal (MPF) – a que trata de populações indígenas e comunidades tradicionais. “Não gostaria”, respondeu Aragão. “Teria de lidar com o novo ministro da Justiça (Alexandre de Moraes, de Michel Temer), com quem eu não tenho uma relação de confiança”, explicou. “E o Supremo (Tribunal Federal)?”, contrapôs Janot. “O Supremo a gente conversa”, respondeu Aragão. “Então, tá, Arengão, bota a língua no palato”, escreveu o procurador-geral. “Rodrigo, quer saber, nós somos pessoas muito diferentes, e eu não dou a mínima para cargos”, respondeu Aragão, sem mais retorno.

De acordo com a reportagem, ao mandar Aragão “botar a língua no palato”, Janot estaria se referindo a “calar a boca e/ou parar de arengar”. Dias depois, Aragão foi ao gabinete de Janot.

Confira detalhes do diálogo entre Aragão e Janot:

Após um “chá de cadeira”, Aragão decidiu entrar no gabinete, onde se deu o diálogo:

Janot: Você me deu um soco na boca do estômago com aquela mensagem (“não esto u interessado em cargos”).

Aragão: É aquilo mesmo que está escrito lá.

Janot: Então considere-se desconvidado.

Aragão: Ótimo. Eu não quero convite (para função), tudo bem, não tem problema. Olha, Rodrigo, nós somos diferentes. É isso mesmo. Para mim, você foi uma decepção…

Jnot: O que você está querendo dizer? Vai me chamar de traíra?

Aragão: Não, traíra não. Não chega a tanto. Desleal, mas traíra não. (No caso Operação da Lava Jato) você foi extremamente seletivo…

Janot: Você vem aqui no meu gabinete para me dizer que eu estou sendo seletivo?

Aragão: É isso mesmo.

Janot: Você vai para a p… que o pariu… Você acha que esse (ex-presidente) Lula é um santo? Ele é bandido, igual a todos os outros…

Aragão: Você foi muito mesquinho em relação ao Lula, só porque ele disse que você foi ingrato (em razão da indicação para a função)… Não tinha nem de levar isso em consideração.

Janot: Isso é o que você acha. Eu sou diferente. O Lula é bandido, como todos os outros. E você vai à m…

Aragão: E os vazamentos das delações? Eu tive informações, quando ministro da Justiça, pelo Setor de Inteligência da Polícia Federal, que saíram aqui da PGR…

Janot: Daqui não vazou nada. E eu não te devo satisfação, você não é corregedor.

Aragão: É, você não me deve satisfação, mas posso pensar de você o que eu quiser.

Janot: Você vá à m…, você não é meu corregedor.

Aragão: Eu não vim aqui para conversar nesse nível. Só vim aqui para te avisar que estou de volta.

Fonte: Jornal do Brasil

3 Comentários

  • Essé safado do JANOT e um tremendo traíra sim vagabundo se vendeu para os criminosos do golpe agora quer tirar onda, eu digo te prepara velho SAFADO tua hora vai chegar em 2018. Sabe OQUE eu to dizendo? LULA VAI VOLTAR E TUA BUNDA VAI ARDER FILHO DA PUTA!!!

  • O rodrigo almofadinha janótas (com minúscula, pois verme não é nome próprio), um CANALHA, quando o Lula era presidente, e indicou ESSA BOSTA, para o cargo de procurador geral, o Lula era mocinho, agora que o URSINHO DE PELUCIA, mudou de lado, o Lula é bandido, esse janótas é sim um TRAÍRA DE MARCA MAIOR.

Deixe um Comentário!