Blog do Mailson Ramos

Cunha caminha para o limbo, forçado a silenciar

Cunha caminha para o limbo, forçado a silenciar

Cunha caminha para o limbo, forçado a silenciar – Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Começa agora a operação Abafa Cunha: o objetivo é sufocar o deputado cassado para evitar revelações bombásticas sobre os bastidores do golpe.

Cunha agora não vale um traque. Assim como não vale nada – com raras exceções – a Câmara que o cassou. Porque não faz muito tempo eles estavam conluiados para tramar o impeachment de Dilma Rousseff, como bem disse o Silvio Costa.

No país da hipocrisia, muitos dirão hoje que a corrupção foi varrida da política; começam a dizer que a economia dá sinais de recuperação e se inicia uma narrativa positiva para um governo que anda pendurado por um fio de cabelo.

A corrupção está aí escancarada em nossas caras. Não foi ainda a assepsia de Ronaldo Caiado – que para ser assepsia de verdade precisa varrê-lo do mapa político.

Cunha se diz abandonado por Michel Temer, mas se observasse à sua volta, não veria nada além dos deputados Carlos Marun e Edson Moreira tentando uma defesa atabalhoada e sem razão de ser. Os antigos aliados como Marco Feliciano e Paulinho da Força até votaram contra a cassação, mas sequer aparecem para fazer uma defesa mais efetiva.

A estas alturas, Cunha não serve sequer para o Moro. Mesmo sendo um “mafioso”, como disse a Clarissa Garotinho.

Porque o golpe já foi dado. O Moro não vai se preocupar com o Eduardo Cunha quando tem a tarefa essencial de sua vida que é prender o Lula. Vejam os amigos e amigas navegantes que ontem o Moro levou Marcos Valério a Curitiba para escarafunchar a morte de Celso Daniel. E o que o Valério teria para falar do mensalão do PSDB, em Minas? Isso não vem ao caso.

Não é prudente esperar que a Lava Jato suba a rampa do Planalto, como fez com a Dilma. Não vai acontecer porque a força-tarefa está com os dias contados. Ela existe ainda para perseguir alguns petistas. Especialistas acreditam que Cunha vai se deparar agora com a Justiça. Se a Justiça quisesse impor ao deputado cassado as penalidades por seus crimes, já o teria feito.

A Justiça brasileira foi complacente com um deputado que mantinha contas secretas na Suíça – e sabe Deus mais onde – e mentiu descaradamente a uma CPI para mascarar os luxos de que usufruía a sua família. Partidos da então oposição como PSDB, DEM e PPS deixaram-no aceitar o pedido de impeachment, transformaram-no num ícone da luta contra o PT, posaram com ele em fotos ao lado de movimentos como o MBL.

Encaminharão Cunha ao limbo. Mas as revelações que ele diz ter incomodam Brasília. Dos inimigos e detratores não poderá dizer mais do que as críticas já direcionadas. Resta saber se Cunha tem mesmo a munição para derrubar dois presidentes. Esforços para silenciá-lo não faltarão.

Deixe um Comentário!